Saúde

Pesticidas na comida: Portugal acima da média europeia

550Portugal é um dos países europeus mais vezes referido num relatório sobre resíduos de pesticidas nos alimentos, divulgado pela Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA). O estudo, referente ao ano de 2010, abrange 29 países europeus – os 27 da UE e ainda Noruega e Islândia – e dá conta dos testes feitos a 12,168 amostras de onze tipos de frutas e legumes e alguns produtos derivados.

O relatório aponta valores em consonância com as normas europeias para 97,2 por cento dos casos testados, e sustenta que 99,6 por cento das amostras não apresentam riscos para os consumidores. Portugal é um dos cinco países onde a média de amostras acima dos valores permitidos superou os 3 por cento: os restantes são Eslováquia, Chipre, Malta e Eslovénia.

Num total de 749 testes efetuados em Portugal, foi detetado excesso de pesticidas em maçãs (cinco casos), alho francês (três), uvas, laranjas, alface e bananas. Dos 22 casos que não cumpriam as normas, 17 resultaram em sanções administrativas e advertências aos produtores, enquanto cinco tiveram como consequência procedimentos criminais.

Testes realizados em Portugal detetaram ainda vestígios do fungicida Imazalil em duas amostras de comida de bebé, originária de países exteriores à União Europeia. O problema foi também localizado em amostras recolhidas na Alemanha, Hungria, Espanha e Eslováquia, num total de 36 casos em 1826 análises (2 por cento). A EFSA lembra, porém, que a legislação específica relativa a comida para bebé está dependente da afinação dos parâmetros de análise, que não são articulados com os aplicados a outros tipos de alimentos.

Outro referência negativa a Portugal, neste relatório, resulta do facto de alguns dos testes serem efetuados em laboratórios não credenciados a nível europeu. A situação é comum a outros cinco países (Bulgária, França, Itália, Roménia e Espanha).

A EFSA sustenta ainda, com base neste relatório, que por comparação com os produtos originários da União Europeia, a comida importada tem um risco cinco vezes superior de apresentar resíduos de pesticidas acima dos valores recomendados. Aveia (5,3%), alface (3,4%), morangos (2,8%) e pêssegos (1,8%) foram os produtos onde se detetou maior incidência de excesso de pesticidas.

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
  • Leonor

    Poderiam comentar com a fonte por favor? queria publicar isto noutra página mas com a fonte directa 😉 Obrigada

    • 90% dos nossos artigos possuem a fonte explícita, os restantes não possuem fonte declarada porque se baseia em pesquisa pessoal de um dos nossos “publicadores” ou porque está patente em jornais e revistas sem versão online. Se pretende citar o que apresentamos poderá citar-nos a nós como divulgadores ou pesquisar sobre o assunto.

      Neste caso uma rápida pesquisa no google demonstra que a tvi24, a SoPro Verde, a atualidade e a divulgarciencia apresenta o texto acima com pequenas alterações.

  • Francisco Gentil Apolonio

    É triste/revoltante e deve ser bem divulgado! Uma coisa eu este ano constatei! Nas zonas que eu frequento vi muito, mas muito menos abelhas que nos anos anteriores!

Partilhas