Harvard retira laticínios do Prato de Dieta Saudável

1125147.large

A Harvard School of Public Health enviou uma mensagem forte e directa ao USDA (Departamento da Agricultura dos Estados Unidos) e aos alegados especialistas do mundo inteiro com o lançamento do seu guia Healthy Eating Plate (Dieta Saudável) em resposta ao novo guia de saúde e nutricionismo da USDA que veio substituir a pirâmide dos alimentos.

Os especialistas de nutrição e investigadores de Harvard que o guia alimentar da universidade está baseado numa nutrição sã investigada ao pormenor e mais importante ainda, livre da pressão de lobbies e grupos industriais. A maior evidência disso é a total ausência de lacticínios no seu novo guia para uma dieta saudável devido ao facto de «um consumo alto destes alimentos [lacticínios] aumentar significativamente o cancro da próstata e dos ovários».
Os investigadores da Harvard referiram ainda que os altos níveis de gordura saturada na maioria dos lacticínios e os componentes químicos da sua produção os tornam um alimento a evitar devendo ser substituídos por  legumes verdes (nomeadamente couve, repolho, bróculos, etc), soja enriquecida e grãos de várias espécies para se obter o cálcio necessário e de qualidade.

Recentemente tivemos um polémico artigo sobre a necessidade de evitar o leite que movimentou a opinião pública dividindo-a entre puristas de ambos os lados e leitores que pretendem receber informação que lhes é negada. Esta intervenção importante de Harvard vem confirmar o artigo e trazer a opinião iluminada de uma das mais respeitadas universidades investigadoras do mundo.

Os nossos parabéns pela coragem de Harvard em provar que se deve aumentar o consumo de vegetais e frutas em detrimento de alimentos manipulados pelas grandes corporações que nos querem fazer acreditar que são essenciais à vida. Não se trata de propaganda vegan até porque o mesmo estudo guia de nutrição salientam a necessidade de ingestão de proteínas da carne branca e de peixe, feijão e nozes.
Trata-se de vencer a pressão dos lobbies das grandes empresas que controlam há demasiados anos o destino da saúde american e mundial através de instituições alegadamente isentas como a USDA, mostrando-lhes o que de facto é a saúde.

Fonte: Harvard (links no texto)

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando –
.
Como este artigo o faz sentir?

  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado

Clip to Evernote

Comentários (112)

  • Dália Antunes

    Estive a ler porque o tema me interessa mas o que li em http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/healthy-eating-plate/ (Harvard School of Public Health) não indica a retirada dos lacticínios mas a sua moderação: “Limit milk and dairy products to one to two servings per day, since high intakes are associated with increased risk of prostate cancer and possibly ovarian cancer.” Estarei a ler mal?

    • Yaky Monkey

      Não está a ler mal não :)
      Harvard não afirma os laticínios como proibidos simplesmente os retirou da ‘dieta saudável’, ou seja retirou da ‘Healthy Eating Plate’ que vem agora substituir a ‘Pirâmide dos alimentos’ que outrora veio substituir a ‘Roda dos Alimentos’

      Se a vir conseguirá ver que todos os laticínios foram retirados, o que não implica que os não possa consumir de forma moderada (uma ou duas porções que não são necessárias de todo para uma dieta saudável).

      http://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/files/2012/10/healthy-eating-plate-700.jpg

      • Manel Rosa Martins

        Então o título deste artigo está errado e apenas reflecte uma leitura na diagonal, do original. Concluo que quem leu na diagonal foi a autora desta artigo, está a empolar e a manipular com uma falsidade.

        Considero isto apenas desinformação sem qualquer rigor científico. Está a tentar adaptar os resultados e as recomendações à sua tese de remoção e esta não está recomendada.

        Não beba muita água, de facto se for em excesso pode afogar-se. Duma questão de quantidade passamos com a sua conclusão baseada em coisa nenhuma para uma questão de qualidade.

        Tem que fazer um esforço para entender que as Ciência e os dados não estão feitos à sua medida, nem a verdade se altera por estar a dizer que a leitora fez uma leitura na diagonal.

        O facto fica que o seu título é falso. Espero que aprenda com isso.

      • Pedro Carlos Alves

        Está escrito na legenda do copo: «Limit milk/dairy (1-2 servings/day)»
        Isto não é retirar todos os lacticínios…

    • SAGA Project

      Não leu mal… leu apenas o que lhe apeteceu ler. O texto explica que foi retirado da nova aproximação ao que era antigamente a roda dos alimentos. Não leia na diagonal, pelo menos não nessa diagonal e observe o Healthy Eating Plate

  • Gonçalo Abreu Fernandes

    Limitar é diferente de retirar meus amigos!
    O facto de recomendarem que se ingiram menos doses não significa que os lacticínios são retirados da dieta saudável. É um reajustamento em termos de quantidades “saudáveis” ou necessárias…

    • Riccardo Cerruti

      Está escrito “total ausência”.

      • Gonçalo Abreu Fernandes

        Aqui diz isso, no texto de Harvard não! Como o de Harvard é o original, é esta “tradução” que está mal feita…

        • Francisco Barros

          Isto é o que está na Havard: “Limit milk and dairy products to one to two servings per day, since high intakes are associated with increased risk of prostate cancer and possibly ovarian cancer”

          Basicamente, significa que temos que dosear a toma! mas não retirar, uma vez que tb ha benefícios associados ao leite, é so fazerem uma pesquisa no proprio site da escola de saude publica de Havard…

          Colocar como título “Havard retira laticínios da dieta” … reflete um pouco aquilo que tem vindo a acontecer na imprensa portuguesa ao longo destes tempos! Não procurem o mediatismo fácil… desinformar é pouco ético e mt perigoso!!!

          • Micaela Morgado DieteticNutrit

            É exatamente isso Francisco Barros! Mas infelizmente a maioria dos portugueses só lê os títulos e chegam-nos às consultas literalmente loucos e mal informados e acreditam mais no que leem uma ou duas vezes do que naquilo que um profissional estuda e aprende durante toda a vida. É triste.

    • Pedro Dias

      Deve haver alguma dificuldade na leitura… o que eu leio é que RETIROU do Healthy Plate.. e de facto o leite não aparece no Healthy Plate. A vontade de criticar é tamanha que se perdem em discussões de semântica!

    • jose

      o que diz ao falar em retirar é que é melhor consumires os que aparecem posteriormente… qualquer um que leia vê que na dieta deles não é necessário, e não que deves evitar ao máximo.. até porque se tens algo melhor; porque não?… a dieta insere o melhor possível não diz que tudo o resto é treta

  • Ricardo Neto

    Não concordo com a conlusão de que este artigo (Harvard) veio confirmar o artigo anterior de evitar o leite a todo o custo…
    Li aqui “A maior evidência disso é a TOTAL ausência de lacticínios…” quando no texto de Harvard está escrito “Limit milk and dairy products to one to two servings per day…”
    Limitar a uma ou duas porções por dia não é retirar totalmante!
    Para além disso, não li nada (no artigo de Harvard) sobre o Leite provocar osteoporose nem nenhuma das 1001 doenças apregoadas (à excepção do cancro da próstata ou dos ovários) no artigo que se espalhou por aí de forma viral, em especial pelo facebook.

    Pareceu-me uma tentativa de ter razão à força sobre o artigo inicial e enganador…

    Resumindo, como em tudo na vida, há que tomar com moderação e para quem gosta, um copo de leite por dia não faz mal a ninguém!

    • Juan Honeyman

      Los lacteos tienen hormonas como la prolactina y la insulina además de tener altas concentraciones de niquel.
      Efectos adversos :
      Agravan el acné.
      Aumentan los vellos en la mujer.
      Facilitan la caída del pelo de la cabeza.
      Dan alergia a los metales (aros anillos, etc.)
      Aumentan el envejecimiento de la piel. (Más arrugas)

      Son buenos porque son una proteína barata que evita la desnutrición en la gente pobre que no puede comprar carne.
      Dr. Juan Honeyman
      Profesor de Dermatología Universidad de Chile
      Universidad Católica de Chile

      Ignorancia suya.

      Que especie animal toma leche de otra especie.
      La leche envejece. Asíticos consumen soya y no leche. Arrugas no tienen

  • michele freitas

    Para quem está querendo continuar como um bebê tomando leite pelo resto da vida… coisa completamente não natural, favor buscar mais informações, esse artigo de Harvard não é nem a ponta do iceberg! Leiam estudo do Dr Colin T Campbell e Dr. Caldwell B Esselstyn

    • Sofia Malheiro

      Gostaria de sugerir também às pessoas que acham que beber leite é anti-natural, que comecem a consumir alimentos crus visto mais nenhum animal na natureza fazer cozinhados!!! Fundamentalismos, seja no que for, são perigosos, eu ainda me lembro quando não se deviam comer frutos secos, sardinha, atum ou salmão porque faziam mal ao colesterol. Tudo em moderação, quanto mais variada for uma dieta menos probabilidades há de se consumir algum alimento em quantidades excessivas.
      Já agora, na minha família a regra é: come-se de tudo e apesar disso nas últimas 3 gerações ninguém morreu antes dos 89 anos.

  • Dani Silva

    Apenas mais um estudo a confirmar o que outros já tinham afirmado. Aos que dizem que este estudo não diz para deixar de consumir leite, a palavra “LIMIT” mostra que não é essencial. É um “mal necessário” a que as pessoas estão habituadas, e que no máximo (limit) deveria ser uma ou duas porções por dia. Algo que deve ser de consumo limitado não é essencial, como se acredita que o leite é. De salientar que, nos alimentos importantes, eles usam a palavra “eat”, sendo portante “obrigatório” para uma dieta saudável. Pensava que este artigo estava bem explícito, mas pelos vistos há ainda muita gente que se agarra à mais pequena vírgula para justificar o seu consumo de leite… Para além deste maravilhoso estudo, podem consultar o documentário “Got the facts on milk?”, o artigo “Segredos da Longevidade” da National Geographic, ou o estudo científico “The china study”. Boas escolhas, e boa saúde!

    • gervasium

      Tudo o que é essencial tem de ser limitado. Até água em excesso é tóxica. O mundo não é assim tão preto e branco.

      • Dani Silva

        Interessante que nos vegetais e frutas, não usam a palavra LIMIT, mas sim EAT. Ou seja, frutas e vegetais são OBRIGATÓRIOS para ter uma boa alimentação. Os laticínios devem ser LIMITADOS, ou seja, quanto menos melhor. É óbvio que qualquer coisa em excesso é prejudícial, mas também é óbvio que o estudo pressupõe que a pessoa pare de comer quando estiver satisfeita…

        • Bernardo Balboni

          O fato de dever limitar o consumo não quer dizer, de forma alguma, que a relação seja “quanto menos, melhor”, isso é uma falácia e demonstra uma grande falha no raciocínio lógico. O consumo de alimentos ricos em selênio, por exemplo, é NECESSÁRIO, mas em dose recomendada de 55mg diários. Doses acima de 850mg pode trazer sérios riscos à saúde. O mesmo vale para o ômega 3, que, consumido em excesso, pode acarretar em problemas de coagulação, entre outros.

          • Dani Silva

            Caríssimo, eu não disse que os laticínios não têm qualquer valor nutricional. Tem valor nutricional, mas também tem malefícios associados. O que eu disse é que estes não são INDISPENSÁVEIS à alimentação humana. Todos os nutrientes contidos nos laticinios podem ser encontrados em frutas e vegetais diversos. O leite é “tão importante” para a alimentação, que Harvard nem se deu ao trabalho de fazer um grupo de alimentos com este representado (na antiga pirâmide dos alimentos os laticinios tinham um grupo só para eles). Aparece apenas como nota no grupo da água. A palavra “LIMIT” é também usada para as carnes vermelhas, por exemplo. Vai-me dizer que para sermos saudáveis também temos de comer carne vermelha em pequenas quantidades? E se simplesmente não comermos carnes vermelhas, não é ainda melhor?? Admiro a coragem de Harvard em romper com os preconceitos, e imagino que vai custar a muita gente aceitar isso. Mais uma vez repito, o leite TEM valor nutricional, mas NÃO É INDISPENSÁVEL à alimentação humana, podendo os seus nutrientes ser obtidos, directa ou indirectamente, através de fontes vegetais. O leite é, portanto, um alimento opcional, com algumas vantagens, mas também com alguns riscos conhecidos associados.

  • Ilídio Magalhães

    Que artigo sem qualidade científica a tentar justificar um documento falacioso com retalhos de um estudo cuidado que cujas conclusões ainda terão de ser postas à prova pelo sistema de peer-review da ciência. Os autores do artigo e donos deste espaço muito podem dizer que este sistema é vulnerável a lóbbis. Tudo bem, não disputo. Todavia, o vosso discurso e táctica em tudo se assemelha a um lobby mas de um lobby que não está a levar a sua avante. O artigo polémico que refere é polémico porque muita gente na comunidade científica o refutou. É assim que funciona a ciência e progride o conhecimento: observa se, apresentam-se hipóteses que explicam a observação, testa-se para confirmar/refutar a hipótese, publica-se e sujeita-se a peer review e depois passa-se a teoria ou lei se a hipótese passar os testes todos que se fizerem à hipótese ou então reformula-se ou apresenta-se outra hipótese. Este é um resumo do método científico pela qual a Ciência se rege. Se preferem dogmas fundem uma igreja que pelos vistos até dá benefícios fiscais (pelo menos nos EUA).

    • Ilídio Magalhães

      Só para completar, mesmo as vossas justificações são falaciosas. O leite com efeito não está no prato, mas os Dairy Products,entre os quais se incluem os lacticínios e o próprio leite, mas estão lá perto! Concordo que o leite não seja essencial, certo (o Passos também vai adorar isso para taxar (se já não o faz) o leite com a taxa “normal” do IVA ou então como um imposto de luxo), mas prejudical per se, não. Sejando também dogmático: o consumo de bebidas alcoólicas em igual quantidade não fará pior?

  • Miguel Valerio

    Digam isto aos milhões de crianças famintas e subnutridas em África, na Ásia, na América do Sul e na…Europa. Talvez a Harvard School of Public Health tenha uma alternativa, como por exemplo pedir aos norte americanos para oferecer os excedentes de leite (e não em pó, como faziam nos anos 70 e 80) produzidos pelos agricultores sobre-subsidiados, às ONG, salvando assim milhões de vidas.

  • Nuno Pascoal

    Depois do tabaco, chegou a vez do leite :) Antes tarde que nunca!

  • Ricardo Gomes Ribeiro

    acredito nos biotipos.. tirando a questão de toxinas, desmatameto, bem estar animal… o leite em si nao deve ser um vilão. Há pessoas que tendem a produzir mais muco ou possuem alergia, outras não..

  • Gonçalo Abreu Fernandes

    Como o artigo refere, o cálcio, na IDADE ADULTA pode ser obtido através da ingestão de outros alimentos, visto que as necessidades diárias deste nutriente são mais reduzidas do que na infância/juventude. Contudo, há que ver que para se obter a mesma quantidade de cálcio, há que ingerir uma maior quantidade desses outros alimentos em relação aos lacticínios. Até aqui concordo. Não concordo é que digam que devemos eliminar completamente os lacticínios ou QUALQUER outro grupo alimentar! Até porque o artigo original não defende isso. Como estudante na área da Dietética e Nutrição, sou da opinião que se seguirem as indicações e não existirem exageros, podemos comer de tudo.
    Outra questão que se coloca: Para além do cálcio, os lacticínios são fonte de proteínas de alto valor biológico (grande quantidade de aa essenciais), vitaminas lipo e hidrossolúveis e se optarmos pelos magros, a gordura não é preocupante.
    O que eu entendendo como “limit” como “barreira”, ou seja, podemos ingerir as quantidades indicadas. Segundo o artigo, apenas necessitamos de uma ou duas “doses” de lacticínios e acima disso é dispensável (nocivo, segundo eles)…

    • Thais Tavares

      Gonçalo, boa tarde, sou estudante de nutrição. Você poderia enviar o link do artigo original? Muito obrigada! :)

    • João Miguel Silva Ferreira

      Muita gente ainda continua enganada sobre tanta coisa, quando já existem dezenas de estudos que provam aquilo que não querem ver!

      O consumo de laticinios é antes de mais, anti natura porque nenhum mamifero na natureza bebe leite depois da amamentação, muito menos de outra especie, e não é o homem com a mania que sabe tudo sobre tudo que me vai dizer o contrário. A Natureza é perfeita!

      Depois a questão do cálcio é uma das maiores mentiras deste lobby gigante. Como estudante de nutrição deves saber que quando consomes laticinios, o cálcio não está disponível para ser absorvido pelo organismo, a menos que seja adicionado como têm sido o caso ultimamente, com +calcio +ferro + vitamina x y z ! Afinal se é tão bom porque precisa de “aditivos” ???

      O cálcio está sobre forma de proteina animal complexa, que precisa de ser desdobrada para permitir ao corpo absorver o tão milagroso e necessário cálcio. Deves também saber que o corpo para desdobrar essa mesma proteina, necessita de cálcio das reservas do organismo. Como já vários estudos provam isso, o cálcio necessário para quebrar a proteina é muito superior ao cálcio que depois vai ser absorvido através dela, criando assim um processo de descalcificação no organismo.

      Basta ver estudos com mais de 10 anos que mostram que os países onde se consome mais laticinios per capita, (Estados Unidos, Nordicos, Australia, etc) são os países com as maiores taxas de osteoporose no mundo. Porque existia até à bem pouco tempo taxas muito baixas em Africa e na Asia ?

      Além disso, o leite é demasiadamente proteico para o ser humano, é um alimento que faz crescer em média um bezerro 20 kg por semana, e obviamente não é proprio para o consumo, como facilmente se percebe.

      Mas temos que ir mais longe e ter coragem para perceber todo o processo da produção de leite que é ainda o pior de tudo. Animais cheios de hormonas e antibioticos, alimentados com rações trangénicas cheias de pesticidas e herbicidas pela querida Monsanto, que passam anos no mesmo local sem se mexerem, com tetas em sangue cheias de pus! E não isto nao é só nos US. Vais a Vila do Conde, uma das cidades da europa com mais vacas por metro quadrado, e diz-me quantas ves nos campos a pastar ? É só pavilhões e pavilhões de produção massiva deste “nectar” maravilhoso, composto por uma amalgam a de coisas boas.

      • João Seco

        @google-70a38a3896b97f6658931946d34cef56:disqus podia-me indicar artigos científicos que provem (ou sequer mencionem!) essas patacoadas todas? (falo do grosso do seu comentário, não do último parágrafo, não das condições das vacas na Monsanto)

      • Patricio Souza Do Amaral

        Fico desentendido com os argumentos que algumas tendências de pensamentos usam para justificar as suas idéias, será que os outros animais não usam o leite por não saber de seus benefícios para a nutrição, ou será por que não têm inteligencia para retirá-lo da sua fonte? será que, se formos deixar de ingerir os laticínios por esses motivos, não deveríamos deixar também qualquer outro alimento que dependa de talentos exclusivamente Humanos para sua extração ou produção, tais como cereais, carnes, alimentos cozidos, água de escavação, sal do mar, etc? E será ainda que não deveríamos estender esse princípio também para comportamentos não alimentares, sexo fora do cio, por exemplo, não seria o cúmulo do desrespeito á sagrada mãe natureza? Ora, faça-me o favor…

      • Pedro Carlos Alves

        Se esse modo de produção ilegal existe, então denuncie à ASAE, ao MAgricultura e à polícia. Está à espera de quê?

        • Patricia Rodrigues

          Esse método de produção é o praticado em todo o lado. Caso não saiba as vacas têm que se engravidadas de propósito de x em x tempo para que continuem a dar o leite até não conseguirem produzirem mais e serem mortas e substituídas pela sua prole feminina, a masculina é o que chamamos de carne de vitela e comemos no Natal e afins

          • Pedro Alves

            O que é ilegal é o uso de hormonas na UE! Eu não falei na inseminação artificial. A Patrícia devia ler antes de escrever. Eu sou Eng Alimentar e prof. da área. A menina é o quê? Seja lá o que fôr disto nada sabe.
            Leia e aprenda com quem sabe:

            American Beef: Why is it Banned in Europe?

            Most U. S. beef cattle are implanted with synthetic hormones in feedlots prior to slaughter. On January 1, 1989 the European Economic Community (EEC) placed a BAN on hormone-treated U. S. meat, preventing U. S. meat products from being sold in any European nations. The United States Department of Agriculture (USDA) has challenged the ban and accused the EEC of unfair trade practices, but the action of European governments raises some important questions about American meat.

            Q. Why did the Europeans (EEC) place a ban on hormone-raised meat?

            A. The European Economic Community BANNED HORMONE-RAISED MEAT because of questions on the dangers of meat that has been treated with synthetic sex hormones. European consumers pressured the EEC to take this action to protect their health.

            More than a decade ago, Roy Hertz, then director of endocrinology at the National Cancer Institute and a leading authority on hormonal cancers, warned of the carcinogenic risks of estrogenic additives which can cause imbalances and increases in natural hormone levels. Hertz warned against the uncontrolled use of these potent carcinogens. No dietary levels of hormones are safe and a dime-sized piece of meat contains-billions of millions of molecules.

            Breast cancer has been raised as a primary concern in light of associations between breast cancer and oral contraceptives, whose estrogen dosage is known and controlled. The risk of breast and other cancers only increases with the uncontrolled use of hormones in meat.

          • Patricia Rodrigues

            Caro Sr. Engenheiro, além de arrogante, demonstra um pensamento lógico no mínimo estranho.

            Em nenhum ponto do seu comentário se refere especificamente às hormonas mas sim ao método de produção que, que o utilizador a quem respondeu, descreveu ter conhecimento que se passava em Vila do Conde. Como tal, o meu comentário partiu dessa lógica para responder à problemática da produção de gado e à sua relação com a indústria dos lacticínios.

            Espero que tenha ficado claro, mas se for preciso posso sempre voltar a escrever outro comentário, dessa vez acompanhado com citações.

            (Não preciso de um canudo ou de trabalhar na área para fazer pesquisa e tirar conclusões por mim própria)

      • Raquel Quendera

        João Miguel Silva Ferreira, concordo a 1000% consigo. O consumo de leite de vaca pelos humanos é anti natural. Leite de vaca é mesmo para bezerros. Os bébés humanos têm o leite da sua espécie e mais nada. Tudo o mais é anti natura, mas e mudar as mentalidades? Já cansei….

      • Daniel Pardejo

        Se for conhecer um pouco de genética e a história do aparecimento da mutação que nos permite digerir lactose, vai perceber o quão errado está a sua afirmação que beber leite é anti natura. Só porque mais nenhuma espécie faz uma coisa, não quer dizer nada. Vai agora dizer que os morcegos voarem é anti natura só porque mais nenhum mamífero voa?? Estude um pouco genética e como as mutaçºoes aparecem!! Aconselho The Selfish Gene de Dawkins.

      • Luis Gustavo Kaiser

        João, partindo de sua teoria, vou parar de comer feijão cozido. Sim! porque, nenhum outro mamífero da natureza come feijão cozido!!!! Realmente a Natureza é perfeita!!!!!!

      • Ana

        Exceptuando o ser humano(alguns), grande parte dos mamiferos come os excrementos…come os teus também!

      • Claudiney José

        Sou vegetariano, mas discordo de seu argumento, João Miguel. A maioria dos mamíferos aceita ingerir leite sim na vida adulta e também de outras espécies. É o caso de cães e gatos, basta servi-lhes ou lhes dar uma forma de acesso. O que discordo são das “fábricas de leite”, pois aqui no brasil são muitas e tratam os animais que mera matéria prima e fruto de extração. Se o consumo fosse moderado, como pregam alguns aqui, quem sabe haveria desestímulo comercial para tamanha produção em massa.

      • Micael

        amigo o humano que tem a mania que sabe tudo tambem é o unico ser que usa roupa, e espero que o senhor nao tenha o habito de andar nu.
        O humano é também o único que utiliza métodos contraceptivos.
        todos os religiosos utilizam a mesma expressão: Anti-Natura! e o argumento não passa a ser valido nesta situação so por que o senhor o diz

        o humano é o único que produz o próprio alimento contrariando as leis da sobrevivência e da selecção natural

        Pela sua lógica de raciocinio tudo isto é um erro e temos de voltar à idade da pedra!

      • Ana Marta Santos

        Só quero dar os meus parabéns por seres o único até agora que diz alguma coisa de jeito, eu nem me vou meter na discussão porque senão fico aqui três dias. Já à muito que perdi a paciência para dar aulas, eu, o meu marido e o meu filho fazemos as coisas corretamente porque procuramos informação correta, ao invés de seguir o que as corporações querem. Quem gosta de acreditar na TV, nas farmacêuticas, no médicozinho, etc.que tenha muito boa sorte. costumo dizer que a ignorância mata, só que não mata depressa o suficiente. Nos dias de hoje, só é burro quem quer…. portanto que façam bom proveito. “ignorance is bliss”

      • Valmor Müller

        Concordo plenamente com João Miguel Silva Ferreira. Eu já dizia que o leite é necessário para a criança nos primeiros meses depois que ela nasce, além disso a mulher continua produzindo leite apenas porque é estimulada, e muitas mães deixam de amamentar e passam a dar para a criança esse veneno industrializado sob a falsa informação de que está protegendo o seu bebê contra futuras complicações para os ossos. Sempre soube disso, é super natural que deixamos de consumir leite depois de uma certa idade, e além do mais, o leite animal é bom para o bezerro quando nasce e não para nós humanos…que o transformamos em alimento e um grande comércio de lucros e afins… Conheço pessoas que tomam leite a vida inteira e já há anos tem problemas de osteopenia, quanto a mim não lembro de ter consumido leite depois de adulto, e durante a minha infância me deram muito leite em pó como até tenho postado uma foto na minha linha do tempo, fora isso nunca mais, apenas por tabela alguma quantia insignificante contida nos chocolates que eu como. Contradizendo e provando o velho mito, meus ossos são muito fortes e saudáveis.

      • Isabel Garcia

        a maioria aqui que dá os seus comentários são pessoas que não pesquisão e então dizem não inporta o quê segundo as suas próprias ideias claro que o leite fáz horrivel mal há saúde mais derivado há maneira que os animais são alimentados

    • Juan Honeyman

      Los lacteos tienen hormonas como la prolactina y la insulina además de tener altas concentraciones de niquel.
      Efectos adversos :
      Agravan el acné.
      Aumentan los vellos en la mujer.
      Facilitan la caída del pelo de la cabeza.
      Dan alergia a los metales (aros anillos, etc.)
      Aumentan el envejecimiento de la piel. (Más arrugas)

      Son buenos porque son una proteína barata que evita la desnutrición en la gente pobre que no puede comprar carne.
      Dr. Juan Honeyman
      Profesor de Dermatología Universidad de Chile
      Universidad Católica de Chile

      La soya tiene el doble de calcio que la leche
      No hay ninguna especie animal que tome leche de otra especie
      Las vacas para dar leche tienen que haber estado embarazadas. HORMONAS

    • Susana Oliveira Oliveira

      concordo com você Gonçalo , essa pesquisa esta dividindo opiniões ela quer retirar do guia e não limitar o consumo de laticínios ,como nós já sabemos existem hortifruti rico em cálcio,mas para atingir as cotas RDA teria que consumir grande quantidade desses vegetais,e sabemos que os Americanos e muito menos os brasileiros iriam comer tantas verduras por dia para atingir RDA !

    • Paulo Oliveira

      Eu também posso comer papel sem que isso me afecte a saúde. Não é por isso que os cadernos deviam ser incluídos na minha alimentação.

    • Micaela Morgado DieteticNutrit

      Partilho de todas as tuas palavras Gonçalo.
      Agora ouve-se “somos os únicos mamíferos que bebem leite”. E então? também não somos os únicos mamíferos a comer cereais e a fazer sexo fora a época do cio??!!! Querem dar refrigerantes e sumos às crianças em vez de leite? É o que tenho assistido. Preferem dar 1 sumo cujo teor de açúcar ultrapassa as necessidades diárias de açúcar em vez de um copo de leite!
      Há que ter parcimónia meus caros.
      Reduzir as doses de leite? Apoio. Mas o leite magro tem um teor de gordura saturada muito inferior dos restantes! E mais, a biodisponibilidade do cálcio do leite é bastante superior à do cálcio dos hortícolas de folha verde.
      Os cancros da próstata e dos ovários estão relacionados com o consumo de gorduras saturadas. Mas elas só existem no leite? não! Há tantas refeições bem piores…
      O segredo está, como sempre, numa alimentação variada, equilibrada e diversificada.
      Mais uma vez, reduzir as doses e optar por magro, ok. Deixar de o beber em prol de outras bebidas/alimentos? não.

    • Patricia Rodrigues

      Como estudante o que estás a aprender é provavelmente o canone mais antigo que há e que apoia ideas já ultrapassadas por estudos recentes.Ainda á pouco tempo foi ao nutrucionista que entrou em paranóia por ser vegetariana, depois de análises concluiu-se que sou mais saudável que muita gente com uma dieta comum e a única coisa alta foi o colesterol pelo abuso tido ao longo dos anos de lacticinios

    • Alvaro Gois Santos

      O leite não é necessário para obter cálcio. Todos os animais obtém cálcio e não bebem leite. Aliás, as vacas que produzem leite vão buscar o cálcio onde? Aos vegetais, claro.

      O leite foi um alimento essencial num momento da história em que havia carência profunda de proteina.

  • marco cat

    Tenho uma avó com 95 anos que diz, existe outro animal que beba leite depois de crescer, Não. Então porque bebemos nós. Eu tenho 40 anos e não bebo leite nem derivados desde os 9meses e sou saudavel.

  • Prittii

    Pra quem ainda nao sabe, o leite de soja muito mais prejudicial a saúde que o leite de vaca. Porem o leite ideal ao ser humano é o leite de cabra (nao tem lactose e é muito mais rico em ferro).

    http://www.huffingtonpost.com/dr-mercola/soy-health_b_1822466.html

    http://www.menshealth.com/nutrition/soys-negative-effects

    http://www.livestrong.com/article/498601-what-are-the-dangers-of-drinking-soy-milk/

  • Gonçalo Abreu Fernandes

    Ficamos na mesma conclusão sempre que surgem coisas do género na comunidade científica: São necessários mais estudos para que se obtenham respostas mais conclusivas…

  • Gonçalo Abreu Fernandes

    Exactamente Inês… e isso não se aplica apenas ao cálcio mas também aos restantes nutrientes, visto que o leite e seus derivados são alimentos de digestão fácil.

  • Helena Alves

    São extremamente corajosos os de Harvard…. mas afinal acabarão por retirar tudo o que é saudável ás pessoas. Harvard é patrocinada pelos Rockfeller e os seus cientistas não passam de cipaios. E quanto a legumes e vegetais, estão esses mesmos senhores a tentar com que as sementes tradicionais sejam substituídas po OGM, que até agora comíamos, nós humanos, pelo menos em Portugal, indirectamente, através da carne. Basta ver porque se suicidam em massa os agricultores na Índia! Perguntem `Monsanto!!Assim será muito mais fácil, terão os “carneirinhos” a comer OGM directamente no prato. É fácil, basta pesquisar quem está por detrás de Harvard, Monsanto, FDA e FAO ou então pesquisar por Códex Alimentarius. Estão mesmo preocupados com a saúde, mas é a deles.

  • Flavio Terra

    A noticia na verdade já começa no seu título com uma mentira, ou para ser mais exato uma omissão, já que não é verdade que Harvard retirou os laticínios da dieta saudável, basta ler o link original.

    Na página original podemos ler: “Limit milk and dairy products to one to two
    servings per day, since high intakes are associated with increased risk of
    prostate cancer and possibly ovarian cancer.”

    Reparem que não está escrito, não ingiram leites e derivados, e sim limitem a 1 ou 2 porções diárias, e infelizmente eles não citam as referências sobre a associação com câncer de próstata e a possibilidade de câncer no ovário, talvez vocês saibam quais são essas referências.

    O texto diz ainda: “…Os investigadores da Harvard referiram ainda que os altos níveis de gordura saturada na maioria dos lacticínios e os componentes químicos da sua produção os tornam um alimento a evitar…”, li o artigo e não vi nenhuma referência aos produtos químicos da composição de derivados do leite, o que parece mais uma “invenção” do autor do texto.

    Nesse mesmo texto existe um hiperlink para um texto que tem o título: “Healthy Drinks” onde podemos ler:

    “Other drinks have pros and cons, but in moderation, can fit into a healthy diet:
    …….
    Milk: Milk is also high in calories, so there’s no need to drink more than a glass or two of low fat or skim milk a day, and less is fine, if you get your calcium from
    other sources.”

    Como podem ver mais uma vez o leite não é descartado como alimento saudável.

    Há também um outro hiperlink para um texto com o título “Calcium and Milk”, onde podemos ler novamente ” Limit milk and dairy foods to no more than one to two servings per day.”, mas não a recomendação de não ingerir leite e derivados.

    Existe mais um hiperlink para o artigo completo sobre Leite e cálcio com o nome: “Calcium and Milk: What’s Best for Your Bones and Health?”, e nesse texto podemos ler sobre o câncer de ovário o seguinte:

    “Possible Increased Risk of Ovarian Cancer

    High levels of galactose, a sugar released by the digestion of lactose in milk, have been studied as possibly damaging to the ovaries and leading to ovarian cancer.
    Although such associations have not been reported in all studies, there may be potential harm in consuming high amounts of lactose. A recent pooled analysis
    of 12 prospective cohort studies, which included more than 500,000 women, found
    that women with high intakes of lactose—equivalent to that found in 3 cups of milk per day—had a modestly higher risk of ovarian cancer, compared to women with the lowest lactose intakes. (15) The study did not find any association between overall milk or dairy product intake and ovarian cancer. Some researchers have hypothesized, however, that modern industrial milk production practices have changed milk’s hormone composition in ways that could increase the risk of ovarian and other hormone-related cancers. (16) More research is needed.”

    Sobre o câncer de próstata e leite o texto traz o seguinte parágrafo:

    “Probable Increased Risk of Prostate Cancer

    A diet high in calcium has been implicated as a probable risk factor for prostate cancer. (17) In a Harvard study of male health professionals, men who drank two or more glasses of milk a day were almost twice as likely to develop advanced prostate cancer as those who didn’t drink milk at all. (18) The association appears to be with calcium itself, rather than with dairy products in general: A more recent analysis of the Harvard study participants found that men with the highest calcium intake—at least 2,000 milligrams a day—had nearly double the risk of developing fatal prostate cancer as those who had the lowest intake (less than 500 milligrams per day). (19)
    Clearly, although more research is needed, we cannot be confident that high milk or calcium intake is safe.”

    Mais uma vez o que se lê que não é o leite que está associado ao câncer de próstata, e sim o consumo de cálcio, ou seja fontes vegetais de cálcio e suplemento desse mineral estão tão associados ao câncer de próstata quanto o leite.

    Mas o parágrafo mais surpreendente de todos é o seguinte:
    “At moderate levels, though, consumption of calcium and dairy products has benefits beyond bone health, including possibly lowering the risk of high blood pressure and colon cancer. (20–25) While the blood pressure benefits appear fairly
    small, the protection against colon cancer seems somewhat larger, and most of the
    latter benefit comes from having just one or maybe two glasses of milk per day in addition to what we get from other foods in our diet. Getting more than this doesn’t seem to lower risk further.”

    Reparem que o texto de Harvard diz que o consumo de leite e seus derivados é benéfico, o que desmente todo o texto original que foi publicado.

  • Elena Crescia

    Odeio artigos que por chamar atenção mudam o resultado de um estudo científico. Escritor: você jogou anos de estudo científico pela borda. Vai aprender a ler, vai aprender inglês ou vai escrever novelas de ficção.
    E ainda por cima assina embaixo: Fonte: Harvard. Cara-de-Pau.

  • Ana Isabel Oliveira

    O calcio depende da vitamina D para a absorção, dai que seja importante administrar vitamina D as pessoas com falta de calcio e nao dar meramente leite de vaca. Consumir uma quantidade excessiva de leite prejudica, nem que seja intestinalmente, nao nos adianta consumir mais ou menos a nossa taxa de absorção, so permite absorver aquilo que realmente necessitamos, se sem os mecanismos de transporte de calcio efectivos, nao adianta o maior ou menos consumo. É nisso que a maioria dos estudos se baseia, ” nao e beber mais leite que vai implicar uma maior absorção de calcio” contudo efeitos colaterais, devido ao consumo excessivo. A vitamina D sim e importante, por isso mais do que beber leite, e essencial apanhar o sol adequado!!

  • Nuno Rebelo

    Nós somos o unico animal no planeta (mamífero) que continua a beber leite mesmo na idade adulta. O leite só é necessário nos primeiros anos de vida pois tem determinados componentes que interferem no desenvolvimento da criança (em termos mentais, não físicos). Na idade adulta interfere com o organismo provocando algumas doenças. Há determinados tipos de cancro que acabam por desaparecer quando se exclui os lacticínios e derivados da dieta. Isto está provado científicamente, quem está minimamente informado e está no ramo da medicina ou medicinas alternativas sabe isso no entanto existe um grande lobby á volta do leite pelo que economicamente não é adequado estar a informar as pessoas que não devem consumir isso. Imaginem o que aconteceria á economia se as pessoas deixassem de beber leite.

  • Ana Mafalda Magalhães

    As recomendações de Harvard do Healthy Eating Plate não excluem o leite, só recomendam a sua moderação para 1 a 2 porções/dia que diferem das do My Plate da USDA para incluir lacticínios a todas as refeições. O artigo está mal escrito e é tendencioso..

  • Edmundo

    “Esta intervenção importante de Harvard vem confirmar o artigo e trazer a opinião iluminada de uma das mais respeitadas universidades investigadoras do mundo”. A opinião iluminada de Harvard; uau, Deus no céu e Harvard na Terra! As opiniões “não iluminadas” são carregadas de interesse das corporações e as opiniões “iluminadas” de Harvard são angelicais, destituídas de interesses. Avalio que precisamos ler mais sobre a fabricação da ciência e o trabalho dos cientistas.

  • Richard Rempel

    “Os nossos parabéns pela coragem de Harvard em provar que se deve aumentar o consumo de vegetais e frutas em detrimento de alimentos manipulados pelas grandes corporações que nos querem fazer acreditar que são essenciais à vida.”

    Que frase ridícula, o bonito é ser agricultor, receber uma miséria pela produção e depender totalmente do governo, intermediadores e das “grandes corporações” de adubo e veneno.
    É verdade vc vai fazer muito mal as grandes corporações comendo apenas vegetais, parabéns!!

  • Angela Pereira

    eu estou sem o leite ha 15 anos e me sinto ótima pois diminuiram em muito meus problemas de figado, conforme sabemos a lactose só é digerida no corpo pela lactase que o organismo produz só até a puberdade, então depois disso necas de leite, nem bezerro precisa depois de um ano continuar mamando na vaca!! meus exames estão melhores na parte óssea.

  • Pedro Carlos Alves

    utro problema destes artigos anti-leite é dizerem que se usam hormonas em vacas leiteiras.
    Alguém tem provas?
    Então denuncie à polícia, ASAE, M.Agricultura.
    Na UE não se podem usar os produtos que se usam nos EUA na produção animal.
    SÃO ILEGAIS!
    Quando é que os «autoproclamados activistas» percebem que a UE não são os EUA?!

  • Pedro Carlos Alves

    Nas recomendações da HSPH há lacticínios!

    «Limit milk and dairy products to one to two servings per day, since high intakes are associated with increased risk of prostate cancer and possibly ovarian cancer. »

    Logo a vossa afirmação é FALSA:
    « A maior evidência disso é a total ausência de lacticínios no seu novo guia para uma dieta saudável..»

    O que eles dizem é que se deve limitar o consumo.

    «While calcium and dairy can lower the risk of osteoporosis and colon cancer, high intake can increase the risk of prostate cancer and possibly ovarian cancer.»

  • Pedro Carlos Alves

    Cá está uma pessoa que, no seu extremismo inventa «teorias da conspiração», quando as instituições não defendem aquilo em que acredita. A Harvard School of Public Health até a USDA criticou e vai ter medo de interesses privados?!
    Você não tem noção do poder daquela escola.

  • Pedro Carlos Alves

    Beber leite de vaca sim ou não?
    O tema não é simples.
    A decisão deve depender duma avaliação da situação.

    É verdade que o leite de vaca existe para alimentar bezerros, mas as folhas de couve existem para fazer fotossíntese, para a planta, e nós comê-mo-las!
    Logo o argumento de «que não é para seres humanos» é falacioso.

    Se uma pessoa não se sente bem com o leite – o que é o caso da esmagadora maioria da população mundial – e pode pagar alternativas, não o deve beber.

    Darei um exemplo: tendo um conjunto de crianças africanas subnutridas – a esmagadora maioria da população africana é intolerante ao leite de vaca – e se, por acaso, só tivessemos leite de vaca, não o daríamos?
    Claro que sim!
    Ter fome, ou morrer dela, seria muito pior do que uns eventuais incómodos intestinais por ingerir leite de vaca.

    Eu estive vários anos sem o ingerir, pois concluí que não me sentia bem com ele. Passei a ingerir bebida de soja, um verdadeiro luxo que não está ao alcance de 6,5 mil milhões de pessoas!
    Até que fui posto em situações nas quais não tinha essa escolha.
    Ou ingeria leite de vaca, ou ficaria a ver os outros.
    Só se fosse parvo é que manteria o meu jejum!
    Eu tinha de comer, não é?
    Agora ingiro algum leite de vaca para habituar o meu sistema à sua presença – se não incentivarmos a sintese enzimática, o corpo não perderá tempo a usar recursos com ela.
    Nunca se sabe quando estarei numa situação, em que não existirá alternativa – com a crise actual tenho mesmo de pensar nisso.
    Alguém viu leite de soja num armazém alimentar de instituições de apoio social?
    Eu não!
    Quando há carência, não se pode ser esquisito!

    As espécies animais que foram sucessos evolutivos são as que se adaptaram melhor a diferentes ambientes e recursos alimentares.
    O ser humano, tendo uma alimentação omnívora e podendo escolher qualquer alimento, não deve restringir, desnecessariamente, a sua dieta.
    E foi assim que conquistou todos os ambientes terrestres.

    Na senda dos «activistas anti-leite de vaca», há um paradoxo curioso: eles tendem a dizer-se paladinos da «alimentação natural», mas os «leites» de soja, aveia, arroz, são totalmente artificiais, ao contrário do leite de vaca!
    Alguém já viu leite a escorrer duma vagem de soja, se a apertar?
    Seria curioso ver o que fariam, caso a logística das empresas de soja «fosse abaixo»…

    Comamos a maior variedade alimentar possível, conforme as nossas possibilidades económicas, os nossos condicionalismos culturais, o nosso ambiente e as reacções do nosso corpo.

    Quanto à posição da «Harvard School of Public Health», só posso estar contente por ser a mesma que a minha: consumo limitado de lacticínios, mas quem quiser deixar de consumir pois que o faça.

    • Dani Silva

      Só um comentário em relação ao seu testemunho. Gostei de ler, e concordo que cada um deve fazer as suas escolhas livremente. Por isso é que alerto que os alimentos de origem animal não são essenciais, são apenas opcionais. Assim, cada um pode escolher se os quer consumir ou não, sem se sentir pressionado a comer carne ou beber leite com medo de que lhe vão “faltar nutrientes” se não o fizer. Relativamente à “bebida” de soja que refere, esta é comercializada recentemente para que as pessoas possam “substituir” o leite de vaca por esta bebida de aparência parecida. O “leite” de soja é, numa explicação muito rudimentar, “água de lavar soja”. Ou seja, não é expremido como os óleos vegetais, mas é obtido ao colocar a soja em água durante uma série de processos. Não deixa de ser um produto natural. O ideal, no entanto, é as pessoas fazerem o que esta nova roda dos alimentos aconselha, que é o consumo de muitas frutas, verduras e vegetais, e não se limitar ao pequeno almoço de cereais com leite (seja de soja ou de vaca). Há quem tome os cereais com chá, sumo de fruta ou, ainda melhor, polpa de fruta. É tudo uma questão de atitude e hábito.

      • Pedro Carlos Alves

        Caro Dani, desculpe, mas o processamento necessário para fabricar a bebida de soja torna-o artificial. Se após todo aquele processamento ainda fosse «natural» – como escreveu – então tudo o que é fabricado teria de ser considerado «natural», pois todas as matérias primas são naturais. Dani, um «produto alimentar natural» é aquele que já existe na natureza, sem processamento, excepto, extracção simples – leite (animal), azeite -, ou conversão natural – iogurte, vinho.

        • Dani Silva

          Peço desculpa não ter percebido a sua percepção de “artificial”. Para mim, um alimento artificial é aquele que tem elementos que não são encontrados nos alimentos na Natureza (por exemplo, químicos, corantes, etc.) e a sua explicação para “artificial” é a ideia que eu tenho de alimento “processado”, que a meu ver pode ser de origem natural ou não. Mas de qualquer forma não é isto que importa. O que importa é que a bebida de soja é, sendo “artificial” ou “processada” (como se preferir), ainda assim melhor que o leite. Não é, no entanto, o ideal. Repito que há quem coma os cereais com chá de ervas, sumo de fruta ou, como no meu caso, polpa de fruta. O “leite” de soja é uma forma de captar pessoas que querem deixar o leite sem readaptar o seu pequeno almoço. Desta forma podem directamente substituir um pelo outro. Mas, como já disse, não acho este o típico “leite com cereais”, seja leite de vaca ou de soja, seja o pequeno almoço ideal…

  • Arqtº Welton Santos

    Regularizar nossa sáude é respeitar nosso corpo, alimentação atual moderno existem muitos componentes químicos e transgênicos (que insetos não comem, pois se não é bom pra eles não é bom pra nós!!), o interesse no mercado é auta produção e qualidade “Zero”, no mundo moderno temos mais doenças do que décadas anteriores, por será!!!! A boca é porta da saúde, O que você esta comendo é saudável?

  • Catarina Braz

    Pedro muito obrigado! O seu foi o comentários mais esclarecedor..sou apenas uma leiga e intuitiva que começa agora o seu “despertar “…deixei o leite , a carne e aspartame (vulgo adoçante- dos mais poderosos tóxicos ingeridos pela população mundial de forma ingénua e ignorante….e a minha doença crónica auto-imune grave- Lúpus entrou em remissão….isto é tudo o que sei e testemunho…cada um ter a seu tempo a oportunidade de ser abençoado com aquilo que se chama Verdade.

  • Lisa Contreras

    Os meus cães adoram leite e iougurte

  • Dani Silva

    Será que o cálcio do leite da Vaca é mais bonito? A água engarrafada que bebo tem 510mg/l de Cálcio, não é mais que suficiente?? E não entendo porque é que o cálcio dos Bróculos não há de ser absorvido pelo corpo, e o do leite sim…

  • Sérgio Bandeira

    Não é por nada mas num dos links aparece lá o leite e no outro não, em que ficamos???? Não se andará a perder nada na tradução???

  • Pedro Carlos Alves

    Juan não se está a falar de hormonas naturais do leite mas das adicionadas na Produção Animal feita à maneira dos EUA.

  • Edival Tavares

    Faz sentido! Se observarmos a natureza, veremos que o único mamífero que utiliza o leite como alimento mesmo depois de adulto é o homem!

  • Portugal Mundial

    Não há dúvida que cada um tem a sua própria perspectiva face a seja lá qual for a situação apresentada. A discussão de semântica dos comentários é no mínimo interessante, no entanto cada um vê o que quer e que lhe apetece após a disgestão da informação. Nós por cá continuamos a ver a TOTAL AUSÊNCIA dos laticínios no Prato de Dieta Saudável (Healthy Eating Plate), ou seja na representação esquemática que veio validar as novas propostas que substituem a antiga Pirâmide de Alimentos.
    Quanto a tudo o resto, opiniões são como olhos e todos temos uma ou duas sobre determinado tema… é excelente e salutar o debate público aberto sobre um tema enquanto os intervenientes se respeitam… felizmente há muito boa gente que o faz de forma saudável, debatendo e expondo a opinião… mas outros não, e assim vai o nosso mundo cheio de indivíduos com raiva de tudo e de todos, talvez seja mesmo leite a mais :)

  • Salomé Nunes

    Sinceramente acho que nenhum alimento deve ser retirado, simplesmente não se deve abusar de nada, comer um pouco de tudo. O que deve ser estudado são as quantidades equilibradas, mas mesmo essas variam de individuo para individuo… Devemos sim evitar ao máximo, produtos manipulados geneticamente, químicos de síntese, etc, privilegiando alimentos verdadeiramente naturais, mais vegetais e menos animais, mais água e sumos de fruta biológicos, chás e infusões de plantas biológicas e menos álcool…

  • Mauricio Pedrosa

    Eu espero por isso há mais de trinta anos. Quem estudou e praticou macrobiótica sabe que os laticínios são alimentos de qualidade inferior e que, se consumidos, não devem passar de pequenas quantidades. Eliminar os laticínios em nada afeta nosso organismo em termos de carência mineral ou vitamínica.

  • Dani Silva

    “When Mum’s milk dries out, humans get somebody else’s Mum to keep the milk supply coming. This is, indeed, strange…”

  • Susana Oliveira Oliveira

    Reduzir a quantidade de leite é interessante, agora retirar por completo o leite de uma dieta ,seria a mesma coisa que limitar a consumo de cálcio ,que é fundamental para outras funções do nosso corpo ,já que o leite e seus derivados são rico nesse mineral ,lógico que a combinação com outros alimentos ,como os hortifruti e carnes de pescados é mais aconselhável mais saudável !Temos que levar em consideração outros elementos que pode causar o Câncer ,como corantes artificiais.conservantes ,e alimentos contaminados por inseticidas agrícolas! opinião pessoal !! Até a próxima pesquisa quem sabe contestando .Vai saber ??

  • Portugal Mundial

    Obrigado por uma participação cuidada, educada e esclarecedora. Infelizmente não se encontra muito disso… mas cada cabeça sua sentença e quem quiser que continue a beber o leitinho com um cigarrinho ;)

  • Ana Paula Vasconcelos

    só não considero a soja maravilhosa e saudável…fermentada sim, em outras formas de uso,ela não é maravilhosa e muito menos saudável.

  • Pedro Dias

    O mundo está melhor agora consigo! Iluminado cientista que até a Harvard mete no bolso. Se não seguem a vossa gente cientista só porque contrariam a ‘vossa’ ciência, afinal seguem o quê?
    E se calhar deveria ler melhor…

  • sara

    ficamos em ambos ;) o leite tem vários malefícios, não um só infelizmente, para os seus consumidores mal-informados.

  • Ana Maria

    Exacto.. deixem a carne, o peixe, o leite, os ovos..tudo! Aliás, comer para quê? Só faz é mal! :D

  • Patricia Rodrigues

    O Cálcio presente proveniente do leite não e’ facilmente absorvido pelo corpo e no geral, tendo em conta o resto dos componentes, acaba por fazer mais mal que bem. E não, não é a cura milagrosa para a osteoporose. O leite é uma substância que as mães produzem para alimentar os filhos no começo de vida e está feito de acordo com essas necessidades, por alguma razão não somos desmamados em crianças, no entanto continuamos a consumir leite e ainda por cima leite este que é destinado a vitelos. (O método de produção de leite para que este esteja no nosso frigorífico em si não é natural, logo não há razão nenhuma para que necessitemos de o consumir)

  • Alan Hecktor

    O indivíduo precisa desenvolver mais autonomia destas organizações, e usar mais da sua inteligência natural.

    Pergunte-se
    que animal, que mamífero, em seu desenvolvimento natural, provido da
    sua inteligência instintiva contínua a consumir um nutriente específico
    para as primeiras fases de desenvolvimento?

    Precisamos mesmo
    investir milhões em pesquisa? Precisamos mesmo ficar dependentes de
    organizações de pesquisa para provar o óbvio?

    Nem mesmo a Havard
    não está livre da pressão de interesses maiores. Há um mercado que vai
    lucrar muito. Mas pelo menos a mudança tende pra algo positivo.

  • lurdes domingues

    Bom, de estudos não percebo nada. Mas estou certa de uma coisa…bebi leite materno até aos 3 meses de idade e a partir dai nem mais uma gota. E, qual foi o meu espanto, quando consultei o médico por problemas de artrose… ao qual fui informada que não tinha falta de cálcio, simplesmente falta de cartilagem. Por isso, cada vez estou mais convencida, em ingerir vegetais e não os lacticínios.

  • Rui Alexandre

    Este artigo pretende atacar o quê? A publicidade das leiteiras, que defendem que o seu produto é remédio para tudo? Claro que o defendem, estão a fazer publicidade ao seu produto.

    O documento original não elimina o leite da dieta. E o documento original é orientado para a dieta americana, que engole derivados de leite em tudo o que come.

    Na verdade todos os alimentos podem ser correlacionados (CORRELACIONADOS) com uma qualquer doença (correlação não é causalidade). Moderação é sempre a palavra de ordem.

    Por isso… estamos a lutar contra o quê?

  • Armando Correia

    Na minha modesta opinião, as pessoas têm toda a liberdade para escolher se devem limitar ou não beber (ou até beber o que lhes apetece). Isso diz respeito à liberdade de cada um até porque o leite (ainda) não é uma substância proibida. Eu deixei de beber leite há 2 anos e sinto-me muito melhor de problemas gastro-intestinais que tinha. Mas ainda como as minhas fatias do viciante queijo.

  • Nuno Caetano

    A verdadeira razão da retirada do leite não é a pública. O facto é que alguns grupos étnicos, principalmente africanos, não conseguem digerir convenientemente o leite. Para evitar ter de fazer uma indicação para Caucasianos e outra para Africanos, o que poderia ser considerado “racista”, os americanos de Harvard preferem simplesmente limitar o leite e substituí-lo por outras fontes de cálcio e proteínas. É também evidente que esta construção alimentar leva em conta que os americanos já consomem produtos de origem animal em demasia. É uma forma de limitar isso.

    O supostos malefícios do leite são não só mal conhecidos, como maioritariamente insignificantes, quando conjugados com uma alimentação saudável, para uma população como a Europeia, que foi basicamente seleccionada durante séculos pelo consumo de leite e seus derivados.

  • ricardo

    esta industria é a principal poluidora a nível mundial, imite mais dióxido de carbono que os próprios automóveis, devasta mais floreta que qualquer outra industria, produz desequilíbrios praticamente irrecuperáveis na Amazónia e um pouco por todo o planeta, cria verdadeiros holocaustos infernizando a vida de milhões de animais indefesos, com elevados níveis de stress, elevadas concentrações de antibióticos no organismo desses animais e nos lençóis freáticos, contaminando as águas com os seus resíduos, querem mais o quê? como um animal enclausurado a vida toda sem muita das vezes ver a luz do sol poderia produzir algo bom para si?contudo entende-se perfeitamente o ceticismo de alguns, afinal o cérebro foi “educado” durante anos, com publicidade agressiva e massificada para que acreditasse no contrário, cabe a cada um deitar fora esse registo e fazer a experiência que lhe proponho aqui, passe 1 mês ou se quiser 2 sem ingerir leite ou seus derivados depois passado esse tempo numa bela manha acorde e ingira esses alimentos ao pequeno almoço fique atento aos sinais que o organismo lhe dará e verá que não lhe restaram dúvidas algumas, é que a maquina propagandista consegue engana-lo mas aos seus sentidos não

Deixe um comentário

Tem de estar registado para comentar.

Para o Topo