Desastres Mundiais Sustentabilidade

28 Sinais do efeito catastrófico da radiação de Fukushima

É uma calamidade e os meios de comunicação social mainstream nem sequer mencionam uma parte desta realidade que vai afectar TODOS. Estamos a falar de um desastre nuclear que é absolutamente sem precedentes, e está a piorar constantemente. A seguir, 28 sinais visíveis na América do Norte que mostra o efeito catastrófico, que mal começou, da radiação nuclear de Fukushima.

Fukushima-Radiation

O mapa à esquerda vem da Nuclear Emergency Tracking Center e mostra que os níveis de radiação nas estações de monitorização de radiações em todo o território americano são elevados e alarmantes. Como irá notar, isto é real e está a acontecer!

A cada dia, 300 toneladas de água radioactiva de Fukushima entra no Oceano Pacífico. Isso significa que a quantidade total de material radioactivo libertado de Fukushima está constantemente a aumentar, e isso está a destruir os ecossistemas e a nossa cadeia alimentar.

Em última análise, toda essa radiação nuclear irá permanecer por muito tempo. Diz-se que pode levar até 40 anos para limpar o desastre de Fukushima, e, entretanto, inúmeras pessoas inocentes irão desenvolver cancro e outros problemas de saúde como resultado da exposição a altos níveis dessa radiação nuclear, para não falar dos efeitos biológicos e indirectos.

Baseados em informações do Intellihub a seguir, verá 28 sinais de que a costa oeste da América do Norte está a ser absolutamente frita com a radiação nuclear de Fukushima. Note que cada um dos sinais possui as fontes devidamente assinaladas através de hiperligações.

1.  Ursos polares, focas e morsas ao longo da costa do Alasca estão a sofrer de perda de pele e feridas abertas.

Especialistas em vida selvagem estão estudando se a perda da pele e feridas abertas detectadas em nove ursos polares nas últimas semanas é generalizada e relacionada a incidentes similares entre focas e morsas.

Os ursos estavam num grupo de 33 e foram encontrados perto de Barrow, no Alasca, durante uma pesquisa de rotina ao longo da costa do Ártico. Os testes mostraram que eles tinham “alopécia, ou perda de pele, e outras lesões de pele”

Serviço Geológico dos EUA em comunicado

2.  Há uma epidemia de mortes de leões marinhos ao longo da costa da Califórnia.

Nos viveiros da ilha ao largo da costa sul da Califórnia, 45 por cento dos filhotes nascidos em junho morreram, disse Sharon Melin, um biólogo do Serviço Nacional de Pesca Marinha de Seattle. A situação é tão má que levou nas últimas duas semanas a National Oceanic and Atmospheric Administration a declarar um “evento incomum de mortalidade”.

3.  Ao longo da costa do Pacífico do Canadá e da costa do Alasca, a população de salmão-vermelho tem uma baixa histórica. Muitos culpam Fukushima. as provas são ainda circunstânciais mas alarmantes.

4.  Algo está a causar aos peixe ao longo de toda a costa oeste do Canadá  o sangramento através de suas brânquias, barrigas e olhos.

5.  Uma vasta área de detritos radioactivos de Fukushima, que é aproximadamente do tamanho da Califórnia, cruzou o Oceano Pacífico e está a colidir com a costa oeste.

6.  Prevê-se que a radioactividade das águas costeiras da costa oeste dos EUA poderá dobrar nos próximos cinco a seis anos.

7.  Especialistas descobriram  altos níveis de césio-137 em plancton que vive nas águas do Oceano Pacífico, entre o Havai e a costa oeste.

8.  Numa pesquisa feita na Califórnia, descobriu-se que 15 dos 15 atuns rabilho testados foram contaminados com a radiação de Fukushima.

9.  Já em 2012, o Vancouver Sun informou que o césio-137 estava a ser encontrado numa percentagem muito elevada nos peixes que o Japão vende ao Canadá.

  • 73% das sardas
  • 91% dos alabotes
  • 92% das sardinhas
  • 93% dos atuns e das enguias
  • 94% do bacalhau e das anchovas
  • 100% da carpa, algas marinhas, tubarões e tamboril

10.  Autoridades canadianas encontraram níveis extremamente elevados de radiação nuclear em determinadas amostras de peixes.

Algumas amostras dos peixes testados até à data tiveram níveis altíssimos de radiação: numa amostra colhida em Julho, por exemplo, teve 1.000 becquerel por quilo de césio.

11.  Alguns especialistas acreditam que poderemos ver níveis muito elevados de cancro ao longo da costa oeste  em pessoas que comem peixes contaminados.

“Olhe para o que está a acontecer agora: Eles estão a despejar grandes quantidades de radioactividade para o oceano – ninguém esperava isso em 2011,”

Daniel Hirsch, professor de política nuclear na Universidade da Califórnia-Santa Cruz, disse à Global Security Newswire

12.  A BBC News informou recentemente que os níveis de radiação ao redor de Fukushima são “18 vezes maiores” do que se acreditava anteriormente.

13.  Um estudo financiado pela União Europeia concluiu que Fukushima libertou até 210 quatrilhões de becquerels de césio-137 na atmosfera.

14.  A radiação atmosférica de Fukushima atingiu a costa oeste dos Estados Unidos em de poucos dias desde o incidente de 2011.

8762[3]

15.  Neste momento, 300 mil toneladas de água contaminada está a ser derramada no Oceano Pacífico a partir de Fukushima, a cada dia.

16.  Um pesquisador sénior de química marinha do Instituto de Pesquisas Meteorológicas da Agência Meteorológica do Japão diz que “30 bilhões de becquerels de césio radioactivo e 30 bilhões de becquerels de estrôncio radioactivo” são lançados no Oceano Pacífico a partir de Fukushima a cada dia

17.  Segundo a TEPCO, um total de algo entre 20 à 40 trilhões de becquerels de trítio radioativo tem atingido o Oceano Pacífico desde que o desastre de Fukushima ocorreu.

Fukushima-Contamination-Pacific-Ocean

18.  Segundo um professor da Universidade de Tóquio, 3 gigabecquerels de césio-137 estão a fluir para o porto de Fukushima Daiichi a cada dia .

19.  Estima-se que até 100 vezes mais que a radiação nuclear durante todo o desastre de Chernobyl já foi libertada no mar a partir de Fukushima.

20.  Um estudo recente concluiu que uma grande mancha de césio-137 do desastre de Fukushima vai começar a fluir em águas costeiras dos Estados Unidos no início do próximo ano.

Simulações para o mar mostraram que a mancha de substâncias radioactivas césio-137 libertada pelo desastre de Fukushima em 2011 poderia começar a fluir para as águas costeiras dos Estados Unidos a partir do início de 2014 com pico em 2016.

21.  Prevê-se que níveis significativos de césio-137 vão chegar a todos os cantos do Oceano Pacífico no ano de 2020.

22.  Prevê-se que todo o Oceano Pacífico em breve “terá níveis de césio, de 5 a 10 vezes maior ”do que aquilo a que assistimos durante a era dos testes de bombas atómicas pesadas no Pacífico há muitas décadas atrás.

23.  As imensas quantidades de radiação nuclear que entram na água no Oceano Pacífico provocaram o activista ambiental Joe Martino à emitir o seguinte aviso:

“Os seus dias de comer peixes do Oceano Pacífico acabaram.”

 

24.  O iodo-131, césio-137 e o estrôncio-90, que estão constantemente a vir de Fukushima vão afectar a saúde das pessoas que vivem no hemisfério norte por muito, muito tempo. Harvey Wasserman falou a respeito disso:

O iodo-131, por exemplo, ao ser ingerido afecta a tiróide, onde emite partículas beta (electrões) causando danos dos tecidos. A praga da tiróide danificada já foi relatada entre 40 por cento das crianças na área de Fukushima. Essa percentagem irá ficar mais alta. Em jovens em desenvolvimento, poderá prejudicar o crescimento físico e mental. Entre os adultos uma gama muito ampla de doenças auxiliares, incluindo o cancro. O Césio-137 largado por Fukushima que foi encontrado em peixes capturados na Califórnia, espalha-se por todo o corpo, mas tende a acumular-se nos músculos. Meia-vida do estrôncio-90 é de cerca de 29 anos. Ele imita o cálcio e vai diretamente para os nossos ossos.

25.  De acordo com um recente relatório, a costa da Califórnia está a transformar-se numa “zona morta”.

A costa da Califórnia está a tornar-se uma zona morta. Se não foi para a praia da Califórnia ultimamente, provavelmente não sabe que as rochas estão estranhamente limpas – não há praticamente nenhuma alga, craca, ouriço do mar, etc. As piscinas naturais estão igualmente estranhas, desprovidas de caranguejos, caracóis ou qualquer outro sinal de vida. (…) Ainda pode encontrar algumas gaivotas nas áreas de piquenique e próximas aos restaurantes (com áreas de estar ao ar livre) para a alimentação, é claro, mas não como nos anos anteriores, onde os céus e todas as praias ficavam literalmente cheios de gaivotas e podíamos ouvir o som de seus gritos de dia e de noite…  Agora tudo está assustadoramente silencioso.

26.  Um estudo realizado no ano passado chegou à conclusão de que a radiação do desastre nuclear de Fukushima pode afectar negativamente a vida humana ao longo da costa oeste da América do Norte, do México ao Alaska “por décadas”.

27.  Segundo o Wall Street Journal, prevê-se que a limpeza de Fukushima poderá levar até 40 anos para ser concluída.

28.  O Professor Charles Perrow (Yale) adverte que, se a limpeza de Fukushima não for tratada com 100% de precisão, toda o planeta estará ameaçado “por milhares de anos“.

Entende agora porque tanta preocupação e tantos artigos sobre Fukushima?

Para muito mais sobre tudo isso, assista o vídeo Fukushima e o Fim da Humanidade (em inglês), abaixo:

Fontes: inseridas no texto

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
  • Wilian Langaro

    Só acho que vocês deveriam consultar uma pessoa especializada no assunto antes de publicar merda na internet!!!!!!

    • Pois nós achamos que assim que o senhor tirar as palas e aprender a ser civilizado num curso de controlo de raiva irá notar que todos os pontos estão devidamente acompanhados das fontes, sendo que 80% delas são de cientistas e investigadores. Infelizmente eles não conhecem a sua sapiência e boa educação ou certamente mudariam de opinião.

    • Miguel Lourenço

      Uma pessoa especializada no assunto? Ouça lá mas você por acaso não sabe quem é o professor Michio Kaku, um dos físicos mais conceituados da actualidade? Se não sabe não sei como teve o atrevimento de escrever este seu comentário desprezível…

      • Obrigado Miguel. Há gente que não faz mais nada do que criticar demonstrando a clara falta de capacidade intelectual. No mundo da Internet chamam-lhes Haters

  • Wilian Langaro

    A maioria das fontes suas são matérias publicadas por outros jornais ou blogs. Por isso vocês não tem como confirmar a veracidade das alegações desses supostos cientistas e pesquisadores. Vocês entraram em contato com alguma autoridade no assunto como a Tepco pra ver a posição deles sobre o assunto?

    • LOL
      Vamos aguardar que apareça um alto conhecedor e que contacta por nós… Já agora contacte o registo local para se certificar que existe!

    • Caio Nascimento

      Wilian, fica tranquilo, acho que uma pessoa como você realmente nem deveria ter se dado ao trabalho de ler este artigo. Sugiro que você vá semanalmente a restaurantes de comida japones, para comprovar por si próprio que não há radiação alguma nos peixes de água salgada do Oceano Atlântico, muito menos uma chance de desenvolver uma doença terminal.
      Paz e Bênção!

    • joaquim

      tambem podia ir viver para a california! ou melhor porque nao vai para fukushima.
      ha muito sensacionalismo y promove se uma cultura do medo… mas isto parece ser algo mesmo muito grave, bem superior a chernobil.

Partilhas