Polémico Sociedade Ufologia

Majestic 12: A organização secreta de investigação OVNI (com videos)

Majestic 12 é o nome de uma suposta organização criada pelo presidente americano Truman para gerir investigações de OVNIs e extraterrestres e manter sigilo absoluto nestas áreas. Muitos acreditam que eles foram tão longe ao ponto de matar para manter segredos sobre interacções entre o governo dos EUA e civilizações extraterrestres.

A organização Majestic 12 (também conhecida como MJ-12) tornou-se lendária nos círculos ufológicos e gerou um sem-número de livros e documentários. Também inspirou programas de TV e filmes, por exemplo o programa de TV Dark Skies foi baseado na MJ-12, e a MJ-12 frustrou Mulder e Scully várias vezes na série X-Files.

A questão que se levanta é que se este grupo é tão super secreto, como aparece representado na TV e então como é que sabemos sobre eles? A resposta a essa pergunta é um assunto delicado já que a maioria das referências às origens destes documentos referem um produtor de TV que recebeu um misterioso pacote no correio com um rolo de filme em 1984. As imagens continham documentos secretos sobre o MJ-12 e a sua pesquisa, incluindo a recuperação de uma nave espacial que caiu com corpos alienígenas. No entanto, o que é muitas vezes ignorado, encoberto, ou acaba perdido na obscuridade, é o facto de que a primeira menção do MJ-12 estava num documento que Richard Doty, um ex-agente especial da Força Aérea dos EUA, terá alegadamente criado como desinformação. Ele diz que deu o documento a ufólogos enquanto trabalhava para a AFOSI, e estava a fim de fazê-lo pelos seus superiores. Ele diz que este foi apenas um incidente numa campanha que durou anos. De qualquer maneira, a verdadeira história das origens dos documentos da Majestic 12 é muito mais sórdida do parece. Todo esse caso é muito complicado, mas o Openminds.tv postou um vídeo mostrando todos os interveniente e provas.

Veja abaixo o vídeo em inglês.

Veja agora um mini-vídeo em português do Brasil.

O texto abaixo foi retirado de um documento de divulgação sobre o tema. Optamos por publicar sem alterar a forma, o texto ou o conteúdo por questões de Copyright eventual dado que não conseguimos detectar o autor.

Em dezembro de 1984, Jaime Shandera, produtor de cinema em Hollywood e ufólogo, recebeu por correio um pacote contendo apenas um rolo de filme preto e branco de 35 mm ainda não revelado. O pacote não vinha acompanhado de nenhuma carta e tampouco de remetente. Apenas o carimbo dos selos dava uma pista sobre sua origem: Novo México. Jaime Shandera Ao revelar o filme, viu que continha negativos do que parecia ser um relatório, de 18 de novembro de 1952, para o presidente eleito Dwight D. Eisenhower. Na primeira página havia uma advertência: “Este é um documento ALTAMENTE SECRETO – APENAS PARA LEITURA, que contem informação classificada, essencial para a segurança nacional dos Estados Unidos”. Na segunda página, havia uma lista de doze influentes cientistas, chefes militares e conselheiros de informação dos EUA. Até a terceira página não se percebia com clareza o tema do documento: a descoberta de um disco voador acidentado e de corpos de extraterrestres próximos de Roswell, Novo México, em julho de 1947. A última página do documento era um memorando do presidente Harry Truman dirigido ao ministro de Defesa, James Forrestal, datado de 24 de setembro de 1947. Nele, Truman dava instruções a Forrestal para que colocasse em andamento a “Operação Majestic-12“, mas sem dar nenhum indício do que poderia se tratar.

REVELAÇÕES SURPREENDENTES

Sozinho, este memorando não faz sentido. Porém, ao ser lido juntamente com o relatório de 1952, a história parece ser clara: em julho de 1947, uma “nave aérea em forma de disco” se estilhaçou perto de Roswell e os militares acharam “entidades biológicas extraterrestres”. Quando o presidente Truman foi informado do acidente, autorizou o ministro de Defesa -Forrestal- a formar um comitê que tratasse do caso. Em 1952, quando Eisenhower foi eleito presidente, foi levada a seu conhecimento, a operação Majestic-12. O relatório contém uma lista dos doze membros do comitê e uma descrição dos detalhes do acidente. O parágrafo final insiste na necessidade de “evitar, a qualquer custo, a propagação do pânico”, e confirma que o governo está ocultando a verdade sobre os ÓVNIS. Porém, a questão é: estes documentos são verdadeiros? Em 1980, durante sua pesquisa para um filme sobre ÓVNIS, o produtor de cinema Jaime Shandera estabeleceu vários contatos no âmbito militar. É possível que algumas destas pessoas com informação privilegiada tivesse passado para ele os documentos do Maiestic-12?  As análises demostram que um memorando do MJ12 foi impressa sobre papel cebola, muito utilizado pelo governo dos EUA entre 1953 e 1970. Conhecido em ufologia como “documento Cutler-Twining’, este memorando foi encontrado no Arquivo Nacional, depois que Bili Moore recebeu um cartão postal dizendo onde ele estava escondido.

EM BUSCA DA VERDADE

Entre os ufólogos, as opiniões se dividem. No campo “pro-Majestic” existem pesquisadores, como o físico nuclear Stanton T. Friedman, que dedicou mais de dez anos ao assunto, e os ufólogos Bill Moore e Jaime Shandera. Para aumentar o mistério que rodeia o Majestic-12 (também conhecido como MJ2 ou MAJIC), durante os últimos anos chegaram outros pacotes às caixas de correio dos pesquisadores. O primeiro era um cartão postal enviado a Bill Moore em 1985. Enviado da Nova Zelândia, aconselhava que procurasse nos Arquivos Nacionais dos Estados Unidos alguns fichários recém-arquivados. Moore e Shandera fizeram a busca, e encontraram um memorando que confirmava a existência do MJ12, escrito por Robert Cutler, assessor especial de Eisenhower na Segurança Nacional e dirigido a Nathan Twining, chefe do Estado Maior das Forças Aéreas dos EUA. Entre 1992 e 1996, outro ufólogo recebeu vários documentos relacionados com o MJ-12, e os mostrou a Friedman. Foi comprovado que dois documentos eram verdadeiros. O primeiro é uma ordem breve dirigida ao general Nathan Twining (um suposto membro do MJ-12), concernente a suas atividades durante a viagem que fez no mês de julho de 1947 ao Novo México, o local onde supostamente o disco voador havia se acidentado. O segundo documento é um memorando para o presidente Truman, ditado pelo ministro de Estado George C. Marshall e dirigido ao vice-ministro. Embora não seja mencionado diretamente o MJ-12, o cabeçalho é: “NUJIC EO 092447 MJ-12”.

Na época do acidente em Roswell, Eisenhower era o chefe do Estado Maior do Exército. Os críticos dizem que, quando foi eleito presidente, já sabia do caso e não teve necessidade de ler nenhum relatório.

  1. * Donald Menzel, astrofísico e crítico acérrimo dos ÓVNIS. Teve um cargo ultra-secreto e foi conselheiro de vários presidentes.
  2. * James Forrestal, primeiro ministro de Defesa dos EUA. Em 1949, sofreu um colapso nervoso e se suicidou. Foi substituído por Walter Bedelí Smith.
  3. * Jerome Hunsaker, célebre desenhista de aviões e presidente do Comitê Consultivo Nacional da Aeronáutica.
  4. * Contra-almirante Sidney Souers, primeiro diretor da CIA (l946). Vice-presidente do Conselho de Segurança Nacional
  5. * Gordon Gray, vice ministro do Exército. Foi conselheiro de Segurança Nacional e diretor da Junta de Estratégia Psicológica.
  6. * Nathan Twining, chefe do Comando Logístico do Ar e, posteriormente, presidente da Junta de Chefes do Estado Maior, o mais alto cargo militar dos EUA.
  7. * General Hoyt Vandenberg, chefe de Informação Militar durante a Segunda Guerra Mundial e segundo diretor da CIA (l946-1947).
  8. * Detlev Bronk, biofísico. Diretor da Academia Nacional de Ciência e da Junta Médica Consultiva do Comitê de Energia Atômica. Contra-almirante Roscoe Hiilenkoetter, diretor da CIA (1.947-1950). Em 1960, reconheceu que existia um encobrimento do fenômeno OVNI.
  9. * General de divisão Robert Montague, diretor do Projeto de Armas Especiais na Comissão de Energia Atômica de Albuquerque.
  10. * Vannevar Bush, presidente da Junta de Pesquisa e Desenvolvimento (l945-1949). Foi conselheiro do presidente.
  11. * Lioyd Berkener, da Junta de Pesquisa e Desenvolvimento. Membro do comitê OVNI financiado pelo CIA nos anos cinqüenta.

A ÚLTIMA EVIDENCIA

O documento do MJ-12 mais escandaloso foi enviado por correio em 1994 a Don Berliner, um veterano ufólogo e escritor científico. O anônimo rolo de filme continha vinte e três páginas de um “Manual de Operações do Grupo Especial Majestic-l2”, com data de abril de 1954. Era um detalhado manual de instruções intitulado: “Entidades e Tecnologia Extraterrestres, Recuperação e Destruição”. Como a maioria dos documentos do MJ12 são reproduções, não é possível analisar nem o papel nem a tinta originais. Porém, existem muitos detalhes objetivos que podem ser comprovados, como as qualificações dos doze membros do comitê, as datas das reuniões e a legitimidade das assinaturas. Evidentemente, o MJ-12 era um grupo muito seleto: além do ministro de Defesa, Forrestal, haviam três diretores do serviço secreto, um general das Forças Aéreas, um general do Exército, o ministro do Exército e cinco dos cientistas mais influentes dos Estados Unidos. Tratava-se da elite das comunidades militar, científica e de informação dos Estados Unidos. Se alguma vez existiu um grupo governamental altamente secreto relacionado com OVNIS, poderia ter sido este.

UMA HISTÓRIA SECRETA

O único membro do MJ-12 que parecia não se encaixar no grupo, era Donald Menzel, um astrônomo da Universidade de Harvard. Escrevera três livros e inúmeros artigos contra o fenômeno. Todos os membros, exceto Menzel, eram conhecidos por possuírem cargos de alto nível de segurança dentro do governo e, como Menzel constava na lista do MJ-12, os pesquisadores pensaram que o documento fosse falso.

Donald Menzel

Contudo, em abril de 1986, Stanton Friedman fez uma importante descoberta. Conseguiu ter acesso aos documentos de Menzel, guardados no arquivo da Universidade de Harvard, e averiguou que este astrônomo esteve relacionado durante trinta anos com a Agência de Segurança Nacional. Aprofundando-se mais em sua investigação, Frieman também descobriu que Menzel ocupava um cargo “Ultra secreto de Alto Nível” na CIA; que realizava consultorias altamente especializadas para muitas corporações importantes dos Estados Unidos; que mantinha estreitas relações com os outros cientistas do grupo MJ12, e que assessorava o governo em muitos projetos secretos. Portanto, parecia que Menzel possuía a qualificação necessária para estar no MJ-12. Além disso, fez várias viagens ao Novo México durante 1947 e 1948 a pedido do governo. Estas viagens poderiam ter tido relação com o acidente de 1947 no Novo México, mencionado nos documentos do MJ-12? Os outros membros do grupo também foram investigados por Friedman. Todos haviam trabalhado em projetos altamente secretos e participado de vários comitês de pesquisa e desenvolvimento, mas não estavam mais vivos para serem entrevistados sobre suas atividades. Porém, suas idas e vindas poderiam ser confirmadas por meio de inúmeras fontes: registros de chamadas telefônicas, correspondências, atas de reuniões e outros documentos guardados nas bibliotecas presidenciais e na Divisão de Manuscritos do Congresso. A mais antiga referência ao Majestic está em um memorando supostamente enviado por Truman ao seu ministro de Defesa, james Forrestal. O comunicado – no qual é mencionado o assessor científico do presidente, Vannevar Bush – tinha a data de 24 de setembro de 1947. Este foi o único dia, entre maio e dezembro, em que Truman se reuniu com Bush. Forrestal também o fez neste dia, fato que Stanton Friedman descobriu depois de vários meses de pesquisa.

INCERTEZAS

Esta data também é significativa, porque foi o dia depois de Nathan Twining, general chefe do Comando Logístico do Ar, enviar um memorando secreto ao Pentágono, referente aos “discos voadores”. Nele, Twining afirmava que “o fenômeno descrito é algo real, não visionário nem fictício”.  Além disso, um plano de vôo de 1947 demonstra que Twining viajou para o Novo México em 7 de julho de 1947. De acordo com o relatório, nesse mesmo dia “se iniciou uma operação secreta para assegurar o resgate de alguns destroços… para uma posterior análise científica”. É possível que isto seja apenas uma coincidência? Joe Nickell, analista de documentos e escritor da revista Skeptical Enquirer, acredita que trata-se de uma coincidência. Concentrando-se no formato e na apresentação dos documentos, destacou vários “problemas importantes”. “Um dos mais óbvios – opina este pesquisador- é a assinatura de Truman.” O estudo de documentos verdadeiros demonstrou que a assinatura que leva o memorando do MJ12 está mal situada na página. Além disso, parece praticamente idêntica à de um memorando autêntico de Truman, encontrado por Stanton Friedman. Duas assinaturas idênticas são suspeitas.

ANÁLISE – A LINGÜÍSTICA DO MJ-12

Roger Wescott, um especialista em lingüística da Universidade de Drew (Nova Jérsei), revisou mais de vinte documentos autênticos escritos pelo contra-almirante Roscoe HillenKoetter e obtidos na Biblioteca Truman. Os comparou com o documento do Mj-12 supostamente escrito por Hillenkoetter e, depois de sua análise, afirmou: “Na minha opinião, não existe nenhuma razão que obrigue a considerar fraudulento nenhum destes comunicados, nem para acreditar que foram escritos por outra pessoa que não fosse Hillenkoetter”. Esta declaração corresponde à controvérsia sobre a discutida nota presidencial de 18 de novembro de 1952, assim como as das cartas privadas e oficiais.

DEPOIMENTOS SOBRE O MJ- 12

As declarações de antigos funcionários confirmam a existência de um grupo de elite criado para tratar do fenômeno OVNI. Uma nota de 1950 do governo canadense, escrita por Wilbert Smith, engenheiro de projetos de Defesa, afirma: “Os discos voadores existem. É desconhecido seu modus operandi, mas um grupo dirigido por Vannevar Bush está trabalhando no assunto”. Em 1991, o general de Arthur Exon, antigo comandante da base aérea de Wright-Patterson (Ohio), declarou que, ainda que não tivesse conhecimento do MJ- I 2, existia um grupo secreto – “Os treze terríveis” – criado para controlar o acesso aos relatórios sobre ÓVNIS. Poderia se tratar do grupo Majestic-12 e o presidente? O doutor Eric Walker, antigo presidente do Instituto para a Análise da Defesa, afirmou que havia assistido a reuniões em Wright Patterson sobre a descoberta de discos voadores. Também declarou que “faziam 40 anos que tinha conhecimento dele (o grupo MJ-12)”.

ESTUDO DETALHADO

Nickell também se refere em sua análise aos formatos das datas, à tipografia e ao estilo de linguagem empregados nos documentos. Novamente, mediante o estudo de documentos autentificados, demonstrou que nos documentos do MJ-12 existem certos detalhes que destoam. A conclusão de Nickell é que “os muitos elementos irregulares e suspeitos detectados nos documentos do MJ-12 demonstram claramente que tratam-se de falsificações”. Porém, Friedman não concorda. Dedicou dez anos à pesquisa das objeções de Nickell e todavia insiste em que os documentos são verdadeiros. “Ainda não escutei nenhum argumento convincente contra o MJ-12 – afirma Friedman -. Francamente, considero que estes papéis contêm os segredos mais importantes que jamais foram divulgados para a opinião pública.” Verdadeiros ou falsos os documentos relacionados ao Majestic-12 são certamente, os mais intrigantes que vieram à tona no campo da ufologia. Em seu livro TOP SECRET/MAJIC, de 1996, Friedman apresenta uma lista de trinta detalhes. Se são falsos é provável que fossem escritos por alguém que tinha conhecimento de assuntos internos. Se são verdadeiros, provam que o governo está escondendo a verdade sobre os ÓVNIS…

Fonte: HuffPost, Projecto Sonda, OpenMinds.tv, History

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas