Sociedade

Secreta Francesa evitou a destruição do Louvre, da Torre Eiffel e de uma Central Nuclear

vlcsnap-2012-07-04-00h47m08s83

Há anos, tinha sido a Catedral de Estrasburgo a ser salva da destruição, por umas escassas horas, agora, o Museu do Louvre, a Torre Eiffel, uma central nuclear e todos os eventos à época a realizar em Paris eram os alvos, em França, de um plano de atentados de um grupo islâmico subsidiário da velha Al-Qaeda, liderado por um argelino, Abu Naji, aliás, Ali M., 29 anos.

vlcsnap-2012-07-04-00h47m08s83

Foi a intercepção de comunicações e a descriptação das mensagens interceptadas (um trabalho a cargo da DGSE, a famosa “Piscina”) que permitiu aos serviços franceses identificar os membros e estrutura do grupo, monitorizá-los, conhecer o plano e, finalmente, capturá-los, desmantelar a rede e abortar a campanha de atentados.

A acção decorreu em 2013 mas só agora se tornou conhecida através de uma notícia exclusiva do “Le Parisien”. O ministro responsável pela pasta do “Interior”, à época, era Manuel Valls, o actual primeiro-ministro francês.

Ver abaixo elementos sobre natureza e modos da DGSE e as explicações do seu ex-patrão do anti-terrorismo, um intelectual (ciências políticas, direito, especialista da cultura e da língua árabe) alinhado à esquerda, o lendário Alain Chouet.

Fonte e detalhes (em francês): InteligênciaEconómica

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas