Ciência Espiritualidade Saúde

Existe consciência após a morte? Mega-estudo confirma a possibilidade

Investigadores envolvidos no maior estudo de sempre sobre experiências de quase-morte (NDE – Near Death Experiences) , [Estudo AWARE] descobriram que pode haver consciência mesmo depois do nosso cérebro ter deixado de funcionar, o que nos pode dar algumas novas luzes sobre o que acontece depois de morrermos.

eqm-imagem-tunel

Cientistas da Universidade de Southampton estudaram mais de 2,000 casos de pessoas que sofreram paragens cardíacas em pelo menos 15 hospitais diferentes pelo Reino Unido, Áustria e Estados Unidos. Cerca de 40% dos pacientes descreveram experiências de consciência durante o tempo em que mantinham o seu coração parado e antes de retomar o batimento, em estado chamado de “morte clínica”. Por exemplo, um homem de 57 anos de Southampton descreveu os barulhos das máquinas e o que a equipa médica fez durante esse tempo de morte clínica com bastante rigor.

Sam Parnia, médico e principal responsável por este mega-estudo, explicou ao Daily Telegraph: “Sabemos que o cérebro não funciona quando um coração para de bater. Mas nestes casos há indícios de que a consciência continua por mais cerca de 3 minutos, mesmo sendo sabido que o cérebro “desliga” 20 ou 30 segundos após o coração ter parado.” ou seja “Não existe um momento exacto de morte; ele começa quando o coração pára e prolonga-se por algum período de tempo” levando o Dr. Sam Parnia a afirmar que “a consciência pode existir após a morte.”

"A Ascensão dos abençoados" por Hieronymus Bosch que se refere a aspectos relacionados com experiências de quase-morte

“A Ascensão dos abençoados” por Hieronymus Bosch que se refere a aspectos relacionados com experiências de quase-morte

Neste estudo, foram examinados cerca de 2060 casos de paragem cardíaca. Dos 330 que sobreviveram, 140 relataram algum tipo de consciência durante o período de ressuscitamento. Um em cada 5 sentiram sensações de paz e tranquilidade. Alguns viram uma luz brilhante e experienciaram perturbações no tempo (ou tudo mais rápido ou tudo mais lento), outros descreveram sensações de imersão ou submersão em águas profundas. Descritos mais detalhados, relataram visualização do seu próprio corpo de ângulo superior (inclusive não viam placas colocadas no tecto). Parnia sugeriu que provavelmente mais gente terá este tipo de experiências, mas que a medicação usada no ressuscitamento os pode influenciar e prevenir a recordação.

“Estimativas e outros estudos sugerem que milhões de pessoas já terão tido experiências vividas relacionadas com a morte, mas as evidências científicas são sempre consideradas ambíguas. Muitas pessoas assumem que o que sentiram foram simples alucinações ou ilusões, que no entanto correspondem muitas vezes a eventos reais.”

“E poderão ser muitas mais as pessoas que vivenciam experiências de quase-morte, mas que simplesmente não se conseguem lembrar por causa de lesões no cérebro ou das drogas e sedativos ministrados”.

Para Parnia, é necessário mais investigação na área e por isso lidera o estudo AWARE  (Awareness during Resuscitation), que foi iniciado em 2008. “Quando pensamos sobre isso, a maioria das pessoas pensa que há apenas um momento, ou seja, ou se está morto ou se está vivo, mas o que verificamos é que não há um momento de morte. O estudo foi publicado na Revista científica “Resuscitation” Algumas citações de Sam Parnia numa entrevista em 2012:

 “As experiências de quase-morte podem determinar a morte do materialismo científico. “Temos evidências claras de que a consciência continua após a morte” “Aquilo que chamamos de alma, mente ou psiquismo pode existir depois da morte” “Após a morte, as pessoas tomam seu próprio nível de pensamento para outra dimensão”

Fonte: Business Insider, Daily Telegraph, Resuscitation, AWARE study  

Recomendamos também alguma leitura sobre DMT (conhecida como molécula do espírito – Dimetiltriptamina) que é segregada pela glândula pineal nos “momentos da morte”. DMT na Wikipedia Terence_McKenna Documentário – DMT – a molécula do espirito no youtube    

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas