Sociedade Sustentabilidade

Quem é Joshua Wong, o miúdo de 17 anos que está a inquietar a China?

Joshua_Wong_Chi-fung

É um dos mais temidos activistas políticos de Hong Kong e nem sequer tem idade para poder votar. Com o cabelo à escovinha, óculos ovais, calções largos e de t-shirt por fora, a única coisa que distingue este rapaz franzino de 17 anos dos outros jovens no meio da multidão são as câmaras apontadas para ele.

Joshua_Wong_Chi-fung

“O povo não devia ter medo do governo. O governo é que deve ter medo do povo”

Joshua Wong é demasiado novo para poder legalmente comprar álcool ou conduzir – muito menos votar – e mesmo assim é o rosto dos protestos pró-democracia em Hong Kong. E uma inspiração para cidadãos com o triplo da sua idade.

Há dois anos, com apenas 15, Joshua e alguns amigos criaram um grupo chamado Scholarism (aí liderou uma manifestação com mais de 120 mil pessoas). O objectivo era poder dar aos estudantes uma voz política no projecto educacional no país e, foi depois de uma série de protestos, greves de fome e uma invasão de um prédio do governo que levou Hong Kong a voltar atrás na proposta.

Agora, encabeça um dos movimentos políticos mais significantes desde o massacre na Praça de Tiananmen, em 1989. A indignação dos jovens transformou-se numa imensa mobilização estudantil – e nasceu a revolução dos guarda-chuvas, utilizados pelos manifestantes para se protegem contra os sprays-pimenta da polícia.

388989

 

A China chama “extremista” a Joshua, por causa da sua participação nos protestos estudantis que invadiram na última semana as ruas desta ex-colónia britânica devolvida à China em 1997 e hoje uma região autónoma com alguns direitos, como liberdade de expressão e eleições locais.

O que ele e muitos criticam (e são contra) é a actuação do governo chinês, que tenta minar algumas das autonomias obtidas quando o poder foi transferido.

As manifestações têm como objectivo exigir autonomia nas eleições para o próximo chefe do Executivo local, que devem acontecer em 2017. Mas Pequim não parece muito interessada nisso e insiste em nomear os candidatos que depois irão a votos.

“Acho que um sufrágio verdadeiro não existirá sem uma desobediência civil”, disse Joshua ao South China Morning Post.

É este tipo de posições políticas que tornaram Wong um “extremista” aos olhos da imprensa chinesa, enquanto os jornais pró-Pequim em Hong Kong acusam-no de estar a ser manipulado pelo governo dos EUA, e o vêem desde há três anos como um “político superstar”.

Considerado uma ameaça à segurança pelo Partido Comunista, foi preso na sexta-feira (juntamente com 77 pessoas) e solto no domingo, de acordo com fontes policiais. A polícia entrou no seu quarto na Universidade e confiscou várias coisas, incluindo o seu computador e telefone, segundo contaram vários organizadores do protesto.

Ao sair da prisão, Joshua, cansado e apresentando alguns ferimentos, prometeu não baixar os braços. “O povo não devia ter medo do governo. O governo é que deve ter medo do povo”, disse, citando o filme V de Vingança.

“O herói deste movimento é cada um dos cidadãos de Hong Kong”, escreveu no Facebook.

388996

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas