Ciência Saúde Sociedade

Nova técnica ajuda a encontrar consciência em coma

Alguns pacientes que estão em coma podem ter consciência do que os envolve, embora não possam comunicar, mas agora, os cientistas descobriram uma nova forma de identificar esses pacientes.

A consciência é um dos fenómenos mais misteriosos. Os cientistas ainda não sabem exactamente como a actividade cerebral dá origem à consciência, mas eles têm sido capazes de encontrar algumas diferenças entre um cérebro consciente e um inconsciente.

Tal visão pode ajudar os investigadores a desenvolver testes para a minoria de pacientes que se encontram em coma e que podem estar “conscientes”, mas que são incapazes de demonstrá-lo.

Numa nova tentativa de resolver esta questão, os investigadores analisaram 32 pacientes em coma e 26 pessoas saudáveis. Alguns dos pacientes em coma foram diagnosticados como “minimamente conscientes”.

Isso significa que havia alguma prova de que eles poderiam ter alguma consciência do mundo envolvente. Por exemplo, o paciente pode seguir comandos simples, como apertar um dedo.

Outros pacientes foram diagnosticados como estando em estado vegetativo, o que significa que se pensa que eles perderam toda a consciência, mesmo que ainda fossem capazes de respirar por conta própria ou até de abrir os olhos.

Os investigadores examinaram as ondas cerebrais dos participantes utilizando eletroencefalograma (EEG) e aplicaram ferramentas matemáticas nos dados retirados do EEG para encontrar padrões de comunicação entre as regiões cerebrais.

Os investigadores compararam então esses padrões nos cérebros dos pacientes em coma com os das pessoas saudáveis. Como esperado, os padrões de actividade cerebral nos cérebros dos pacientes eram diferentes dos padrões dos participantes saudáveis.

Os cérebros conscientes saudáveis mostraram “redes ricas e diversificadas”, que estavam em debilidade nos cérebros dos pacientes, no entanto, alguns pacientes que se pensava estarem completamente em estado vegetativo mostraram, na verdade, alguns padrões semelhantes aos de pessoas saudáveis.

coma1_214Estes pacientes sugeriam ter algum nível de consciência em exames à imagem cerebral anteriores, apesar do diagnóstico de estado vegetativo.

Por exemplo, embora os pacientes não realizassem quaisquer movimentos físicos em resposta a comandos, as imagens do cérebro mostraram que quando eles foram incentivados a imaginar que estavam a fazer uma atividade física, como jogar ténis, a área do cérebro responsável por controlar o movimento reagiu.

“Alguns pacientes vegetativos que mostram sinais de consciência oculta têm redes notavelmente bem preservadas e semelhantes a adultos saudáveis”, escreveram os investigadores.

Além disso, descobriram que a actividade cerebral de pacientes minimamente conscientes estava ligada à forma como eles eram responsivos.

Os pacientes que eram mais responsivos tinham uma actividade cerebral que era mais semelhante ao de pessoas saudáveis, de acordo com o estudo, que foi publicado a 16 de outubro na revista PLoS Computational Biology.

As novas descobertas podem ajudar os médicos a identificar pacientes “vegetativos” que realmente têm alguma consciência, assim como melhorar a sua avaliação clínica, afirmam os investigadores.

No entanto, observaram ainda que é necessário mais trabalho antes que as suas novas descobertas possam ser aplicadas aos pacientes e serem usadas como uma ferramenta confiável para guiar o atendimento clínico

 

Fonte: CienciaOnline

 

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas