Natureza Sustentabilidade

Vespas-Asiáticas não dão Tréguas

995697

Espécie invasora já chegou ao distrito de Coimbra, embora o seu avanço, de norte para sul, decorra a uma velocidade mais lenta do que a verificada em França.

Portugal vai ter de aprender a conviver com a vespa-asiática, insecto predador de abelhas que, além de ser responsável por uma quebra na produção de mel, está também a preocupar as autoridades, pelo à-vontade com que instala os seus enormes e populosos vespeiros em zonas urbanas.

Estas duas características levaram as autoridades nacionais a definirem um plano de acção para controlo desta espécie invasora, que constitui também uma ameaça à biodiversidade e à saúde pública. Mas, no terreno, as organizações de apicultores e os bombeiros, que assumem o trabalho de identificação e destruição de ninhos, queixam-se de falta de apoio e pedem mais verbas nacionais para uma tarefa que se multiplica de dia para dia.

Só neste ano já foram destruídas muitas centenas de ninhos de vespa-asiática nos distritos de Viana do Castelo, Braga e Porto, os mais afectados pela presença desta Vespa velutina nigrithorax. Não há um número exacto, só os que cada concelho vai revelando. Portugal tem uma plataforma online, a SOS Vespa, para mapear todas as ocorrências, mas esse instrumento está refém da colaboração de cidadãos e instituições na notificação dos casos. Por isso, a informação que ali surge não está actualizada, garantiram ao PÚBLICO várias entidades que, no terreno, se têm envolvido no combate a esta espécie.

A Vespa velutina é uma espécie exótica, mas não está ainda sequer classificada como tal, no nosso país. Essa prerrogativa de classificação cabe ao Instituto de Conservação da Natureza e Florestas, que gere também o sistema de informação SOS Vespa, mas sobre este tema não foi possível, no final da semana passada, obter explicações deste organismo, dado o facto de estar “fora do país” quem as poderia dar. Esta entidade tem um papel de coordenação, no Plano Nacional de Acção para a Vigilância e Controlo da Vespa velutina em Portugal, tal como o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), ao qual foi atribuída a coordenação das acções de formação e de divulgação.

Problema era só do Alto Minho…
No plano que data já de 2014, todo o trabalho de vigilância passiva e activa, controlo e destruição ficou nas mãos dos produtores e das entidades municipais, bem como o grosso da despesa com equipamentos e outros recursos necessários para eliminar esta ameaça que não gosta das zonas frias do interior, mas na faixa atlântica avança para sul ao ritmo de 30 quilómetros por ano. Portugal “perdeu uma oportunidade de controlar com maior eficácia” a expansão da Vespa velutina no território continental, lamenta António Cruz, comandante dos Bombeiros Municipais de Viana do Castelo e um dos homens que, desde 2012, foram obrigados a aprender o mais que pudessem sobre ela, para melhor a combater.

Este insecto foi detectado no final de 2011, precisamente em Viana, numa altura, nota Cruz, em que a sua ecologia na Europa “era já bem conhecida”, por via da atenção que em França lhe era prestada há anos. “Tínhamos muita informação disponível. Faltou um ataque mais intenso, coordenado, e com alocação de meios nacionais, para evitar a sua propagação. Mas como isto estava confinado ao Alto Minho, as entidades nacionais demoraram a reagir…”, lamenta, numa crítica repetida pelos apicultores da região que desde cedo puseram pés ao caminho e começaram a contactar as associações e universidades de Espanha e de França, país onde numa década a vespa colonizou 70% do território.

Na verdade, e dada a excelente capacidade de adaptação às condições no terreno e o ritmo de reprodução da espécie, António Cruz não sabe se teria sido possível travar totalmente a evolução que o fenómeno teve. “Mas pelo menos saberíamos que tínhamos tentado”, insiste. Neste momento, o investigador José Manuel Grosso-Silva, entomólogo do Cibio, centro de investigação da Universidade do Porto, não tem dúvidas de que a parente asiática das vespas que já existem em Portugal veio para ficar, e que neste momento o país vai ter de melhorar os mecanismos de detecção e controlo preventivo.

 

Fonte: Público.pt

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas