Genética Polémico Saúde

Reino Unido autoriza modificação genética de embriões humanos

0,,18406771_303,00

Permissão é dada a grupo de cientistas e vale apenas para pesquisa, mas críticos afirmam que ela é primeiro passo rumo aos bebés “projectados sob encomenda”.

O Reino Unido autorizou, em Janeiro de 2016, que cientistas modifiquem geneticamente embriões humanos, mas apenas para fins de pesquisa.

“A única forma de entender a biologia humana em sua fase inicial é estudando os embriões diretamente”, afirmou recentemente a bióloga Kathy Niakan, que liderará a equipe de estudos no Instituto Francis Crick, em Londres.

No ano passado, cientistas chineses causaram uma comoção internacional ao revelar que haviam modificado geneticamente embriões humanos. Menos de um ano depois, a permissão concedida a cientistas britânicos é a primeira licença do tipo na Europa.

“A Autoridade em Embriologia e Fertilização Humana (HFEA) aprovou uma proposta de pesquisa do Instituto Francis Crick para usar novas técnicas de ‘modificação de genes’ em embriões humanos”, anunciou o laboratório em comunicado.

A nota afirma ainda que o trabalho terá “fins de pesquisa e analisará os primeiros sete dias de desenvolvimento de óvulos fecundados”. Os embriões estudados serão doados por casais que passam por tratamento de fertilização in vitro e devem ser descartados em 14 dias.

Em seus experimentos, Niakan planeia adoptar uma técnica baptizada de CRISPR-Cas9, que permite que os cientistas identifiquem e corrijam defeitos genéticos em células.

A cientista garante que não tem qualquer intenção de alterar geneticamente embriões para uso na reprodução humana. “O conhecimento adquirido com esse estudo será importante para entender como um embrião humano saudável se desenvolve”, o que ajudará a melhorar tratamentos de infertilidade no futuro, diz a nota do instituto.

Bruce Whitelaw, professor de biotecnologia animal da Universidade de Edimburgo, afirmou que a decisão da HFEA de autorizar a técnica foi tomada “após uma robusta avaliação”.

“Esse projecto, ao elevar nossa compreensão de como o embrião humano se desenvolve, vai ampliar o conhecimento científico necessário para elaborar estratégias que ajudarão casais inférteis e reduzirão a angústia do aborto”, explicou o especialista.

Por outro lado, há quem acuse a técnica de ultrapassar limites éticos por ser capaz de criar “bebés projectados”. David King, director do grupo de activistas britânicos Human Genetics Alert, disse que a pesquisa de Niakan é o primeiro passo rumo aos bebés geneticamente modificados.

Fonte: DW

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas