Política Sociedade

Bilderberg 2017 – O que será feito com Trump?

“Agradecemos ao Washington Post, ao New York Times, ao Time Magazine e a outras publicações cujos directores participaram nas nossas reuniões e respeitando suas promessas de discrição por quase quarenta anos. Teria sido impossível para nós desenvolver o nosso plano para o mundo se tivéssemos sujeitos às luzes brilhantes da publicidade durante estes anos. Mas o mundo agora é mais sofisticado e preparado para marchar em direcção a um governo mundial. A soberania supranacional de uma elite intelectual e banqueiros mundiais é certamente preferível à autodeterminação nacional praticada nos séculos passados​​”.

A declaração acima vem de uma reunião do grupo bilderberg de 1991 em Baden, na Alemanha. Bill Clinton também participou nesta reunião, com certeza, juntamente com muitos outros membros da classe de elite.

Este é um centro de elite global que se reúne todos os anos, e cujas reuniões são altamente secretas. Os participantes incluem vários chefes dos empreiteiros privados que trabalham com militares, agências de inteligência superiores, grandes banqueiros e representantes do FMI, do Banco Mundial, da Comissão Trilateral e muito mais.

Como The Guardian aponta:

    A cúpula secreta de três dias da elite política e económica começa na quinta-feira num retiro fortemente protegido no Westfields Marriot, um hotel de luxo a uma curta distância do Oval Office. O hotel já estava bloqueado na quarta-feira, e um exército de paisagistas tem ocupado a plantação de abetos em torno do perímetro, para proteger os bilionários e os chefes dos bancos tímidos de qualquer lente curiosa.

Como resultado de jornalistas independentes a expor o que está a acontecer nestas reuniões, o grupo foi forçado a tornar-se um pouco mais transparente. Na agenda deste ano, o primeiro tópico de discussão é a presidência de Donald Trump.

Agora, pense no facto de que Donald Trump, durante a corrida presidencial, chamou abertamente o governo dos EUA de financiamento e afirma “criou o ISIS”. Uma declaração como esta, sem precedentes, uma vez que vários documentos e denunciantes, bem como outros presidentes, Políticos e académicos, mostram há anos que o estado de medo impulsionado pelo terrorismo realmente teve uma ajuda dos EUA e dos seus aliados. Essa mão auxiliar vem sob a forma de financiar e armar estes grupos, ou criar terrorismo de bandeira falsa (como 11/9), a fim de justificar a invasão e destabilização do Médio Oriente.

O que também é interessante é que Trump chamou as companhias farmacêuticas de fraudes científicas. Peguemos na EPA, por exemplo – esta agência governamental teve uma porta giratória entre eles e corporações como a Monsanto. Eles usaram ciência fraudulenta para aprovar muitas coisas perigosas que convivem diariamente connosco, como o glifosato.

O que diz isso sobre a América do Norte quando uma grande percentagem de nossos alimentos é banida em todo o mundo?

O processo federal fez com que o governo dos EUA divulgue arquivos secretos sobre alimentos geneticamente modificados.

Donald Trump também chamou a mídia mainstream, na qual representantes da maioria das grandes redes são realmente membros do grupo Bilderberg. Trump também desmantelou o TPP.

Então, apesar dos esforços da mídia para vilificar Trump, está a fazer coisas que nenhum outro presidente fez. Ele não é um fantoche dos grandes bancos e corporações que controlam a presidência e, em muitos casos, excepto quando se trata do sector de energia, está actuar contra os seus interesses, e é por isso que vai vê-los usar suas próprias redes de mídia para o demonizar.

Simplificando, a narrativa apresentada pelos principais meios de comunicação torna-se percepção pública. Enquanto Trump tem muitas falhas, ele também fez muitos movimentos que vão contra a cabala, o poderoso grupo de elite que prospera na globalização e está a pressionar por uma Nova Ordem Mundial.

Trump, obviamente, não é alguém a que queremos chamar de líder. No entanto, devemos questionar todo o processo de procurar alguém para criar mudanças significativas. Precisamos de reconhecer a existência de, como Roosevelt chamou, “o governo invisível”.

É impressionante pensar em quantas pessoas que trabalham neste sistema chamarão essa mão oculta. E Trump não é excepção.

Trump é claramente alguém que o grupo Bilderberg não quer, e eles provavelmente vão discutir mais maneiras de justificar o seu impeachment.

Bilderberg é o clube mais exclusivo do mundo. Ninguém adquire o seu caminho. Somente o Director de Comité do grupo decide quem convidar e, em todos os casos, os participantes são adeptos do governo da Ordem Mundial administrado por elites de poder superior.

Estes são tempos confusos e a determinação da agenda de Donald Trump não é uma tarefa fácil mas no final do dia, como Buckminister Fuller disse: “Você nunca muda as coisas a lutar contra a realidade existente. Para mudar algo, crie um novo modelo que torne o modelo existente obsoleto. “

 

Se continuarmos a procurar um indivíduo a cada quatro anos para mudar o mundo, não vai funcionar … A política parece tornar-se uma distracção gigante, uma forma de entretenimento e uma batalha entre a elite global que é composta por alguns grupos diferentes que estão a jogar um jogo projectado por aqueles “mais altos” do que eles.

 

Fonte: Collective Evolution

 
Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
Partilhas