Insólito

Chuva de Peixes em Yoro

fish-1yuz8z5Fenómenos naturais como a Chuva de Peixes em Yoro, rivalizam com todos os registos históricos de outros eventos semelhantes um pouco por todo o mundo onde chovem peixes, sapos, rãs e até lulas. Para a maioria trata-se de algo impossível e ilógico, ou até invenção… até que um peixe lhes caia na cabeça. A principal diferença é que em Yoro, uma cidade das Honduras, este fenómeno acontece todos os anos há mais de 100 anos.

A chuva de peixes em Yoro ocorre anualmente algures entre Maio e Junho durante o início da época das chuvas… tudo começa por uma chuva intensa e os locais descrevem que as nuvens são assustadoramente negras. Destas nuvens descem inúmeros relâmpagos, chuva torrencial e incontáveis peixes vivos. Registos descrevem estas chuvas com duração entre 45 minutos a 4 horas ininterruptas

imagesÀ medida que as chuvas cessam, os habitantes de Yoro, e alguns turistas e investigadores, pegam em cestos e correm para as zonas pantanosas de La Pantanal, no sopé do vulcão extinto El Mal Nombre. Milhares de peixes saltitam pelo caminho e, em especial na zona pantanosa, podem ser apanhados vivos ainda. As pessoas colhem o peixe e levam para casa para a super-iguaria anual – é dito por quem provou, que os peixes possuem um sabor específico, diferente de qualquer outro peixe.

Não se conhece a altura exacta em que o fenómeno começou mas o primeiros relatos escritos são do Padre Subirana, o primeiro missionário, do meio do século XIX, mas podemos facilmente partir do princípio que o fenómeno é bem mais antigo.
O padre espanhol José Manuel de Subirana é uma figura essencial da história da cristandade nas Honduras, chegou em 1855 e trabalhou a missão durante o resto da sua vida até 1864, convertendo à fé cristã vários grupos de nativos, nomeadamente os Jicaques que ainda hoje contam uma lenda (mas já não no seu antigo dialecto):

O padre Subirana viu como eram pobres e famintas as pessoas das Honduras e rezou intensamente durante 3 dias e 3 noites, pedindo a Deus um milagre de ajuda à população que sofria de fome. Ao fim de 3 dias Deus enviou uma negra nuvem para Yoro que fez chover saborosos peixes dos céus, suficientes para alimentar todos… desde então isto repete-se todos os anos.

O que diz a ciência?

A chuva de peixes (ou outros animais) tem sido relatada em todo o mundo durante séculos. Mas explicações científicas para o fenómeno são poucas e distantes entre si.

Teoria dos Peixes Subterrâneos

A teoria levantada para explicar o fenómeno proposta por uma equipa de cientistas da National Geographic, que testemunhou este acontecimento bizarro na década de 1970, depois de considerar que os peixes eram cegos concluíram que os peixes de Yoro não caem do céu. Em vez disso, as fortes chuvas que antecedem a sua chegada provavelmente empurram estes peixes do subsolo de rios subterrâneos.

Para muitos esta é a teoria que mais faz sentido já que existe um outro local no mundo onde este fenómeno de peixes do subsolo sobrem às zonas pantanosas, trata-se dos Delminichthys adspersus (Heckel, 1843) em Crveno Jezero na Croácia. Mas além de pouco romântica é largamente criticada nas suas falhas mais evidentes:

  • Os locais e visitantes relatam ter visto os peixes caírem de facto dos céus, tendo inclusive apanhado algumas ‘peixadas’ na cabeça,
  • Alguns peixes são encontrados dentro de vasilhames improvisados como barris, fontes ou tanques, comprovando o facto de terem vindo de cima,
  • Não existem relatórios científicos de qualquer rio subterrâneo suficientemente grande para suster milhares de peixes,
  • Ao contrário da suposição da equipa os peixes possuem olhos e testemunhas falam de serem lúcidos, vivos e em movimento. Provavelmente os peixes analisados pela equipa estariam já mortos há algum tempo. É que na realidade os peixes que habitam rios subterrâneos são cegos e na sua maioria nem sequer possuem olhos.

Teoria da Tromba de Água

Uma hipótese sugere que a chuva de peixes se origina com trombas d´água, que são tornados que se movem sobre a água, sugando pequenas criaturas que vivem no mar, rios e lagos – geralmente peixes e rãs – e depositando-as noutro lugar. Embora as trombas d´água não sejam conhecidas por transportar carga aquática a grandes distâncias esta é a teoria mais defendida.

Isso não ajuda a explicar o clima estranho de Yoro porque os peixes que caem não são nativos de rios ou córregos locais o que faria com que os peixes de Yoro viessem do Oceano Atlântico e viajassem mais de 200 quilómetros passando por montanhas que são mais altas do que Yoro. Além disto a coincidência exigiria que a tromba de água apanhasse sempre um raro cardume de sardinhas e as fizesse chover sempre no mesmo local… todos os anos!

[divide style=”2″]

b15dbff3e4e1c8d45d15e3a0fd4e7265Ao longo dos anos, muitas foram as teorias e as explicações, que em nada abalaram o “Festival Anual de la Lluvia de Peces” em Yoro… e na verdade até aos dias de hoje não existe qualquer explicação cabal para o fenómeno, e mesmo que alguma das teorias estejam próximas da realidade, será que se aplicam aos outros fenómenos similares que se registam um pouco por todo o mundo?

Fonte: Wondermondo

Obrigado por nos dizer como este artigo o fez sentir! Agora conte a todos partilhando - .
Como este artigo o faz sentir?
  • Fora de Mim
  • Fascinado
  • Apoiado
  • Indiferente
  • Assustado
  • Chateado
  • Norma Garcia

    Ouvi este tema na radio -quando vivia no Brasil – e a explicaçao era a TROMBA D’agua, uma especie de tufao. Considerei extremamente plausivel. Mas fui tema de riso e divertimento de meu ex marido.

Partilhas